Por pedro.logato

Brasília - Um dia após a polêmica da partida entre Portuguesa e Joinville, que foi paralisada por conta de uma liminar do torcedor da Lusa, Renato de Britto Azevedo, a CBF conseguiu cassar a decisão da juíza Adaísa Bernardi Isaac Halpern, da 3ª Vara Cível do Foro Regional da Penha, em São Paulo. A entidade conseguiu a cassação por conta de uma decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça), em Brasília.

Jogadores da Portuguesa deixaram gramado na partida contra o JoinvilleDivulgação

A decisão foi do Ministro Sidnei Beneti. O Supremo já havia dito que a 2ª Vara Civil da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, como a única competente a receber ações contestando a decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva de tirar quatro pontos da Lusa no Campeonato Brasileiro do ano passado, por conta da escalação irregular do meia.

A partida entre Portuguesa e Joinville segue sem nenhuma resolução. A CBF sugeriu neste sábado que o clube paulista poderia ser punido por sua atitude. Em resposta, a Lusa, que se baseava na liminar, que ainda não havia sido cassada, afirmava se sentir na Série A do Brasileiro.

Você pode gostar