Portuguesa pode ser excluída da Série B por abandonar jogo, prevê CBJD

Equipe do Canindé cumpriu decisão da Justiça de São Paulo e deixou campo aos 17 minutos da partida de estreia na competição contra o Joinville. CBF repudiou atitude

Por O Dia

A decisão de abandonar o campo na partida da última sexta-feira contra o Joinville pode ter consequências graves para a Portuguesa. De acordo com os artigos 203 e 206 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva), o clube do Canindé pode até ser excluído da Série B do Campeonato Brasileiro.

O artigo 206 do documento falar sobre “dar causa ao atraso do início da realização de partida, prova ou equivalente, ou deixar de apresentar a sua equipe em campo até a hora marcada para o início ou reinício da partida, prova ou equivalente”. A pena prevista é de R$ 100,00 a R$ 1.000,00.

Portuguesa e Joinville jogaram por apenas 19 minutosDivulgação

Porém, é especificado que “se o atraso for superior ao tempo previsto no regulamento de competição da respectiva modalidade, o infrator responderá pelas penas previstas no artigo 203”. No parágrafo segundo deste artigo o CBJD é bem claro que “se da infração resultar benefício ou prejuízo desportivo a terceiro, o órgão judicante poderá aplicar a pena de exclusão da competição em disputa”.

O imbróglio que envolve a Portuguesa diz respeito à escalação do meia Héverton de forma irregular na última rodada do Brasileirão do ano passado. O clube foi punido com a perda de quatro pontos e, com isso, acabou rebaixado para a segunda divisão. A equipe, alega, no entanto, que a punição fere o Estatuto do Torcedor, uma vez que a sentença do atleta só foi publicada pela CBF em seu site oficial depois que ele já havia entrado em campo.

A batalha judicial se arrasta desde dezembro do ano passado, sempre com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) levando a melhor em sua tentativa de fazer a Lusa jogar a Série B em 2014. Em sua maior vitória, a entidade conseguiu no STJ (Superior Tribunal de Justiça) fazer com que todas as ações relativas ao caso sejam julgadas na 2ª Vara Cível da Barra, no Rio de Janeiro.

Reportagem: Pedro Taveira

Últimas de Esporte