Por fabio.klotz

Rio - Foi mais um daqueles jogos com dois tempos completamente diferentes. Na primeira fase, o Flamengo se mostrou tímido, com uma passagem para o ataque sem objetividade e muito vulnerável no sistema defensivo. O Palmeiras fez dois gols e poderia até ter liquidado a partida nos primeiros 45 minutos, pois havia falhas na cobertura rubro-negra, André Santos estava perdido e a proteção do meio-campo era deficiente. Valdivia, sem muito esforço, comandava o seu time e o jogo.

Márcio Araújo fez gol e ajudou na reação do Flamengo no MaracanãUanderson Fernandes / Agência O Dia

Na fase final, já sem o goleiro Fernando Prass, que saiu lesionado, e com Mugni no lugar de Nixon - mudança importante porque deu consistência e velocidade ao time -, o Flamengo foi para cima do Palmeiras e atropelou. Empatou, virou, aumentou a diferença e poderia chegar a cinco diante de um Palmeiras nervoso, acovardado e sem força para atacar. O Flamengo teve em Alecsandro, com dois gols, o grande destaque da vitória, mas a jogada do quarto gol teve todo o mérito de Wallace, que driblou vários adversários antes do passe final. Uma boa vitória que afasta a crise por algum tempo e dá um certo alívio a Jayme de Almeida.

Assim não dá

O Botafogo até que se esforçou, mostra com Mancini um pouco mais de organização, mas tecnicamente é uma lástima. Foi envolvido em boa parte do tempo por um time medíocre como o Bahia, levou um gol e tentou uma reação no fim, mas sem recursos porque Wallyson e Ferreyra não resolvem nada. É possível até imaginar que esse time escape do rebaixamento, mas o sinal vermelho está ligado. Basta olhar a classificação, o único ponto conquistado em nove e a pobreza do elenco.

Sem problema

Afinal, o Vasco conseguiu a sua vitória na Série B sem a torcida para apoiá-lo e, na verdade, sem um adversário capaz de incomodá-lo. Bastou o gol de Douglas logo de saída para que tudo se acalmasse e ficasse bem claro que o Atlético-GO não tinha força ofensiva para ameaçar. Foi apenas uma questão de tempo - e até demorou muito - para que Marlon fizesse o seu nome no jogo com dois gols. Esse time do Vasco vai subir sem problemas, mas está longe de sua melhor tradição.

Até privada?

Certamente a mídia de alguns países vai se aproveitar e criticar ainda mais o Brasil pelo assassinato bárbaro de um torcedor no Arruda, vítima de uma "privadada". Não é arena da Copa, mas mostra o grau de selvageria de nossas torcidas, e a segurança precária que permite a retirada de um equipamento sanitário pesado. Claro que na Copa não haverá espaço para isso nos estádios, mas o ato brutal mostra o clima de violência - todos correm perigo longe dos eventos.

Desagradável

Os 50 mil torcedores que foram ao Maracanã no sábado não esperavam a derrota de um Fluminense que vinha muito bem no campeonato, com aproveitamento total e em evolução. Mas a derrota para o Vitória só confirmou algumas verdades: 1) O campeonato é nivelado e as diferenças são pequenas; 2) O Vitória é um bom time, melhor do que se supunha; 3) O Flu melhorou, mas não é tão acima da média;4) Fred já está na Seleção e não vai se arriscar à toa; 5) Torcida não ganha jogo.

O campeão volta a mostrar sua força

Cruzeiro e Atlético-PR fizeram talvez o melhor jogo do campeonato até agora em Brasília. Os mineiros não tinham o mando, mas contaram com grande torcida a favor e os paranaenses abriram mão de apoio por dinheiro. O Cruzeiro é campeão brasileiro, mineiro, único do país vivo na Libertadores e vice-líder do campeonato com justiça. Ganhou com um time misto, mas Marcelo Oliveira dispunha só para o ataque de Borges, Dagoberto e Marcelo Moreno. É um elenco de luxo que permite sonhar alto e o time teve força para empatar duas vezes e virar o jogo.

Você pode gostar