Costa Rica virou a grande atração

Equipe da América Central deixou duas campeãs do Mundo para trás

Por O Dia

Rio - No Grupo da Morte, havia um gigante ameaçado e um pequeno já morto. Mas, no meio da briga, o pequeno renasceu, mudou os conceitos e decretou que não somente um, mas dois gigantes seriam condenados à morte. Um já se foi, a lendária Inglaterra, que agora fará só um amistoso com a Costa Rica. E ainda falta um cadáver que sairá da batalha decisiva entre Itália e Uruguai.

Como pôde acontecer isso? Acima de tudo, um elogio ao técnico Jorge Luís Pinto que conseguiu unir o grupo, motivá-lo ao máximo e montar um esquema tático equilibrado — forte marcação a partir do campo adversário e ataques em velocidade, aproveitando o talento de Campbell. O Uruguai veio relaxado e foi surpreendido, mas a Itália já estava alertada e assim mesmo não resistiu. Pensou que enfrentaria um adversário atemorizado e retrancado e nada disso aconteceu. Pirlo não mostrou o seu futebol de toques, não houve espaço para lançamentos e Balotelli gastou todas as suas energias inutilmente. A Costa Rica não venceu por acaso, mas com autoridade, e pode até sonhar com uma longa caminhada.

Bryan Ruiz fez o gol da vitória da Costa RicaCarlos Moraes

A EUROPA É AQUI

Pelo andar da carruagem, as esperanças dos europeus ficam só com Holanda, Alemanha e, talvez, França. Mesmo assim, há um ar de título para os lados das seleções das Américas que vêm impondo vantagem massacrante. Já é uma rotina histórica que europeus tenham problemas por aqui, mas nessa Copa, supera as expectativas. Mas, como, se lá estão os grandes jogadores? Fácil, nas seleções só jogam os nativos. Os nossos melhores voltaram. E o clima ajuda um pouco.

ÓTIMA FRANÇA!

Os 3 a 0 da França sobre Honduras não impressionaram e mais se falou do uso da tecnologia para confirmar um gol. Mas a exibição diante da Suíça deixou claro que Didier Deschamps armou um excelente time mesmo sem contar com Ribéry ou, quem sabe, por isso mesmo. Benzema brilha mais e com Valbuena, Matuidi e Giroud, o time deslancha e até Pogba deixou de ser protagonista. A França destroçou a Suíça e, em vez da Bélgica, pode surgir como a grande novidade europeia.

CHANCE FINAL

Felipão ainda não abriu o jogo mas das duas uma: ou não vai mexer ou fará uma única mudança para tentar melhorar o time contra Camarões. Nesse caso, Paulinho e Fred seriam os mais ameaçados. Ele está cauteloso em mudar muito agora primeiro para manter fechada ao máximo a sua ‘família’ dando apoio em hora crítica. E porque imagina que haverá boa atuação contra os africanos na segunda-feira, capaz de dar moral ao grupo e, afinal, estabilizar uma formação.

LAMBANÇAS DA FIFA

Coisas muito esquisitas para o padrão Fifa: 1º) o tumulto provocado pelos chilenos teve culpa do esquema de segurança também de responsabilidade da entidade e não se vislumbra punição enérgica aos baderneiros; 2º) A intenção de punir torcedores mexicanos que gritam ‘puto’! na hora dos tiros de metas é ridícula porque é uma velha tradição não ofensiva no México; 3º) E como pode um árbitro da Fifa encerrar um jogo em um chute de gol, caso ontem de Benzema?

Últimas de Esporte