Por pedro.logato

Rio - O Brasil não conseguiu vencer os chilenos em duas horas de futebol e quase foi surpreendido no minuto final com bola no travessão. Todas as dificuldades no empate de 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação surgiram por dois fatores relacionados: uma partida ruim do Brasil na maior parte do tempo (só foi bem até sofrer o empate) e o futebol frio e traiçoeiro do adversário comandado por Sánchez, Mena e Vidal.

O Brasil teve mérito na classificação porque, afinal, a defesa esteve quase sempre bem e Julio Cesar mostrou a sua experiência diante do nervosismo dos chilenos nos pênaltis. Mas, comemoração à parte, será com esse futebol que chegaremos longe? Neymar foi Neymar só na fase inicial e depois cansou de correr e levar pancada. Fred voltou a fazer uma partida apagada e Hulk apenas se esforçou muito.

Brasil avançou com muito sufoco e lutaAndré Mourão

Mais uma vez, o meio-campo não convenceu e, embora Fernandinho tenha começado bem, sumiu na hora da dificuldade. O risco de uma eliminação inesperada e prematura foi altíssimo. O time precisa melhorar muito se pretende o hexa. Ontem, os deuses do futebol deram boa ajuda. Pode não ser sempre assim.

O HERÓI

se o futebol precisa de heróis e às vezes os cria de quase nada, então Julio Cesar foi esse personagem ontem. Responsabilizado pela eliminação brasileira em 2010, foi convocado e escalado a ferro e fogo por Felipão. Até agora, com todos os méritos. Fez defesa portentosa na etapa final, mostrou sorte de grande goleiro na bola no travessão e foi tranquilo e eficiente nas duas defesas nos pênaltis, mesmo que tenham sido mal batidos. A sua personalidade balançou os cobradores.

OUTRA PEDREIRA

O Brasil que se prepare. A Colômbia faz uma ótima campanha no Mundial, até superior à do Chile. Mostrou na vitória sobre o Uruguai um bom esquema de jogo e, mais uma vez, um craque talentoso que virou artilheiro da competição — o garoto James Rodriguez. Ele vem brilhando em todos os jogos, bem secundado por Cuadrado e Yepes e o time se defende em um sistema bem montado pelo técnico José Pekermann. Se a Seleção ficar estagnada, correrá sérios riscos em Fortaleza.

James Rodríguez é o destaque da ColômbiaReuters

MARACANAZO

E, quem diria, 64 anos depois, o Uruguai voltou ao Maracanã em uma Copa do Mundo e amargou uma eliminação sem choro nem vela. Foi dominado boa parte do tempo por um adversário superior, a Colômbia, e suas raras chances surgiram de tentativas meio desesperadas de contra-ataque. Mas como Forlán, mais uma vez, parecia um ex-jogador em atividade e Cavani, sozinho, nada conseguia, a Colômbia reinou soberana, vencendo com facilidade até mesmo o duelo das torcidas.

CUIDADO, HOLANDA!

Ninguém tem dúvida de que a Holanda faz excelente campanha na Copa e tem mais recursos do que os mexicanos. Mas o desafio hoje não será apena suportar o calor de uma da tarde em Fortaleza, e, sim, o próprio estilo ofensivo, técnico e de extrema dedicação do México. Foi assim que empatou com o Brasil, atropelou a Croácia e se classificou com alguma folga. Jogadores como Chicharito, Guardado e Peralta incomodam muito. Van Persie, Robben & Cia. que joguem o máximo.

A BOA SURPRESA CONTRA O ESTILO PESADÃO

Quem gosta de futebol e de um estilo leve, ofensivo e veloz vai, sem dúvida, torcer para que a simpática Costa Rica de Campbell continue em sua feliz trajetória na Copa. Mas, no mata-mata, uma seleção que tem pouca experiência, em uma fase tão delicada, pode ter dificuldade diante de uma Grécia que se defende bem, joga no contra-ataque e mostra força nas divididas. Não será fácil.

Você pode gostar