Após recusar viagem, meia brasileiro Fred volta ao Shakhtar Donetsk

Depois de se recusar a voltar para a Ucrânia, brasileiro se reapresentou. Ismaily deve ser o próximo a retornar

Por O Dia

Ucrânia - O meia brasileiro Fred retornou para o campeão ucraniano Shakhtar Donetsk, informou nesta quinta-feira o clube que aguarda também o retorno do jogador Ismaily. Os dois estavam entre os cinco brasileiros e um argentino que se recusaram a voltar para a Ucrânia após um avião da Malaysia Airlines ser derrubado no leste do país na semana passada, matando todas as 298 pessoas a bordo.

LEIA MAIS: Notícias, bastidores, contratações... tudo sobre o futebol europeu

Fred e Ismaily, assim como os também brasileiros Douglas Costa, Alex Teixeira e Dentinho e o atacante argentino Facundo Ferreira, recusaram-se a viajar para da França para a Ucrânia depois de disputarem um amistoso contra o Lyon no sábado.

Fred retorna ao ShakhtarEfe

"O Shakhtar continua se preparando para o início do campeonato na Ucrânia. Fred já regressou ao local dos treinos e se espera que nos próximos dias também Ismaily se junte à equipe", disse o clube em comunicado publicado em seu site.

O presidente-executivo do Shakhtar, Sergei Palkin, disse nesta quarta-feira que o clube transferiu sua sede para Kiev e jogaria as partidas pelos campeonatos nacionais e pela Liga dos Campeões da Europa em Lviv, cidade no oeste do país, de modo a evitar o conflito no leste.

O Shakhtar estreou na atual temporada com uma vitória por 2 a 0 contra os rivais do Dynamo Kiev pela SuperCopa ucraniana, em Lviv, na terça. O diário esportivo francês L'Equipe noticiou que Alex Teixeira e Douglas Costa receberam "propostas" do Monaco por meio do agente Kia Joorabchian. Shakhtar, no entanto, recusou-se a confirmar a notícia.

O nome de Costa também tem sido cogitado para uma transferência para a Inglaterra, após a mídia divulgar notícias de que os rivais Arsenal e Tottenham Hotspur estavam atentos ao desenrolar do caso.

Palkin, no entanto, disse que o clube ainda trabalha para convencer os demais jogadores a retornarem. "Estamos na fase de convencimento, dizendo que a Ucrânia é segura o bastante para se jogar e viver", disse.

Últimas de Esporte