Por jessica.rocha

Emirados Árabes - O emir do Catar, Tamin Bin Hamad al Thani, admitiu nesta quarta-feira erros nas condições trabalhistas dos imigrantes que participam da construção de obras para a Copa do Mundo de 2022. Em entrevista coletiva em Berlim, ao lado da chanceler alemã Angela Merkel, ele prometeu mudanças e afirmou: "Não somos um país ideal que não comete erros".

Estádio Catar - Copa 2022Reprodução Vídeo

Os relatórios de ONGs indicam que os imigrantes que vão ao país árabe para trabalharem nas obras da Copa sofrem com abusos e explorações. De acordo com o "The Guardian", cerca de 400 mortes já foram registradas. Diante dessa situação, a Fifa exigiu que o país melhorasse de forma urgente as condições trabalhistas destas pessoas.

Tamin então, ressaltou que medidas já foram providenciadas quanto ao caso e que ainda há projetos que precisam ser colocados em andamento para cumprir todas as exigências. A chanceler, disse que a Alemanha defende "boas condições trabalhistas" para todos os trabalhadores, e afirmou que o emir lhe garantiu reação quanto às críticas da comunidade internacional.

Você pode gostar