Cockpit: O show tinha que continuar?

A constrangedora cerimônia de premiação é consequência da filosofia da Fórmula 1 de que o show não pode parar

Por O Dia

Rio - Sorrisos amarelos, pilotos sem graça e aparente falta de vontade de estar no pódio do GP do Japão. A constrangedora cerimônia de premiação é uma consequência da filosofia da F-1 de que o show não pode parar. E o maior exemplo foi Rosberg minutos antes de receber o troféu. Com olhos marejados, esforçou-se para abrir um sorriso e acenar para a câmera que focava nele, na tentativa de esconder o nervosismo. O alemão parecia abalado com a notícia do grave acidente de Bianchi. Não é à toa. Essa geração não tinha vivido algo parecido, com tanta apreensão no circuito. Talvez a última vez tenha sido há 20 anos, em Ímola, no fatídico 1º de maio.

Jules Bianchi bateu em guindaste no fim da prova no JapãoEfe

O pior é que o piloto da Marussia foi vítima de outra filosofia nebulosa: o tudo por dinheiro. A F-1 sabia desde sexta que o tufão Phanfone poderia chegar, mas quis correr o risco de manter o horário do GP por um simples motivo: se adiantasse a largada para as 11h (23h de Brasília), a prova seria de madrugada na Europa, principal mercado. Não interessava e a categoria acabou pagando um alto preço. A forte chuva atrasou o início do GP e, no momento do acidente de Bianchi, as condições já eram bem ruins, com muita água e pouca luz. Tomara que Bianchi não seja um "mártir" da arrogância de quem comanda a F-1, até porque dificilmente a lição foi aprendida. Resta torcer.

Vettel na Ferrari e Alonso sem opção

Outra bomba em Suzuka foi o anúncio da saída de Vettel da RBR para a Ferrari. O alemão chega no meio de uma reestruturação para levar a escuderia de volta aos títulos. Um desafio e tanto. Como Kyvat irá para a RBR, só sobra a McLaren para Alonso, sem poder de barganha. Sem saber como será a volta do motor Honda, o espanhol quer contrato de um ano para não perder mais tempo na busca pelo tri. Mas a fábrica quer mais anos e as rusgas de 2007 com a antiga equipe podem pesar contra.

Últimas de Esporte