Por fabio.klotz

Rio - Em pouco tempo atuando na Internet, o Panela FC já está dando o que falar. O site, resumidamente, trabalha como uma espécie de "vitrine" para que os clubes anunciem e vendam partes dos direitos econômicos de alguns de seus jogadores. O que antes estava restrito aos empresários e às agremiações, agora, com este novo advento, está aberto ao "coração" do futebol: os torcedores, que podem ter, e até lucrar, com direitos dos atletas.

Panela FC cria uma forma de a torcida comprar parte de direitos econômicos de atletas Reprodução Internet

"Quebramos um muro que separava os torcedores dos clubes. Quando na história alguém poderia participar das negociações de um jogador com R$ 20 e ainda ganhar dinheiro com isso? O clube cede os diretos econômicos ao Panela e nós negociamos isso com os internautas", disse Diego Fernandes, CEO do Panela FC, em entrevista ao DIA.

Mesmo com pouco tempo em execução, são 14 dias em atividade, o dirigente do site faz um balanço positivo dos primeiros dias do Panela FC. O portal, que trabalha atualmente com nove jogadores, já pensa em novas parcerias para aumentar o crescimento e dar mais opções de investimento aos torcedores.

"Está bem legal, superou nossas expectativas. Nossas taxas de acesso estão altas. Mas estamos com os pés no chão. Sabemos que somos uma novidade e isso acaba gerando curiosidade por parte dos torcedores. O pessoal gostou muito das nossas ideias. Os torcedores de clubes que não estão cadastrados no Panela estão entrando em contato pedindo para negociar os jogadores deles. Nós entendemos que o nosso crescimento é um processo gradativo, com mais jogadores cadastrados, mais clubes, mais federações. Vamos crescer mais nossa área de trabalho", comentou.

Em contraponto ao sucesso do site, o advogado Pedro Fida, especialista em direito esportivo e sócio do escritório Bichara & Motta, alerta que este tipo de negócio será proibido pela Fifa, que quer acabar com a participação de empresários em direitos econômicos de atletas, em breve.

"Eu vejo o Panela com data de validade, vai depender da Fifa. O período que a Fifa estipular até o banimento de terceiros no futebol será o período de atuação do site. Em maio de 2015, a Fifa deve publicar um regulamento, mesmo que curto, sobre o banimento dos investidores terceiros e isso tudo estaria definido ali", afirma Pedro Fida.

Jonas%2C especulado em clubes em Fla%2C Flu e São Paulo%2C pode 'inaugurar' o PanelaDivulgação

A transação feita no site é relativamente simples, mas merece atenção em alguns pontos. O torcedor efetua um cadastro e depois compra paneletas (moeda virtual criada pelo portal). Existem três pacotes sendo comercializados: 20 paneletas (R$ 30), 100 paneletas (R$ 110) e 300 (R$ 310). Neste caso, o site lucra dez reais em cada plano vendido. Quando o usuário for efetuar a troca de paneletas por reais, o câmbio será R$ 1 = 1 paneleta.

"Assim que o torcedor investe em um jogador, o dinheiro é recebido pela operadora do cartão de crédito e 80% desse valor vai para o clube e 20% para o Panela. No futuro queremos criar um fundo de pensão para os nossos jogadores resgatarem quando se aposentarem. Esse fundo vai ser gerido por um grande banco (nome não foi divulgado pelo site) e o dinheiro virá de 10% da parte do Panela. Vamos arrecadar menos, mas os jogadores também serão beneficiados", explicou Diego Fernandes.

Uma regra do Panela é anunciar apenas jogadores com mais de um ano de contrato para cumprir, assim os investidores teriam mais tempo para que o atleta seja negociado. De olho em jovens promessas, o site procura se expandir entre os clubes de menor investimento.

"Nós perdemos três jogadores porque clubes grande já pegaram antes de anunciarmos no site. Os presidentes têm tido um carinho especial com o site nessa questão de anunciar jogadores. No Panela estão as principais revelações desses clubes. A maioria é grande revelações com potencial de venda", disse o CEO do site.

Risco aos investidores

A Fifa está querendo impedir que terceiros negociem e tenham participações em jogadores de futebol. Ciente do plano da entidade máxima da bola, o Panela FC acha que não se enquadra nas determinações, já que o objetivo seria barrar os grandes empresários.

"Em 2012, quando começamos a bolar o Panela, os primeiros clubes europeus que consultamos já sabiam dessa norma da Fifa. Mas a principal crítica da Fifa é em cima dos grandes empresários. O que o Panela faz é a novidade da novidade, porque o Panela abre o mercado. No nosso sistema o clube não depende de empresário. Os clubes vão trabalhar com os torcedores. O clube que vai decidir na hora da venda do jogador e não o empresários que hoje ficam forçando a barra. A Fifa tem quatro anos para implementar isso, e até lá vamos provar que somos um modelo de sucesso", comentou Diego. O advogado Pedro Fida mantém o discurso de que o Panela não sobreviverá depois da sanção da Fifa.

"Com base no que eu já vivi, e com todos os documentos e materiais da Fifa que já li, eu posso afirmar que qualquer intervenção de terceiros vai ser interrompida em maio de 2015. Ninguém, independentemente do valor, vai poder obter direito econômico de jogadores. Uma questão em aberto é a própria definição de quem é o terceiro. Hoje entende-se que seja qualquer parte estranha à família do futebol, que são: clubes, jogadores e federações."

É importante ressaltar que o site trabalha com investimentos de risco. Os clubes estipulam um valor de mercado, que pode ser até o da multa rescisória, e em cima deste valor os torcedores podem comprar cotas dos jogadores como paneletas. O internauta que investiu só obterá lucro no caso de venda por uma quantia acima do valor de mercado. Se o atleta sair por uma quantia menor ou sem custos (dispensa ou rescisão de contrato), o torcedor terá perdido seu dinheiro.

Cada torcedor só poderá investir R$ 5 mil em cada jogador, assim ele não poderia "ser dono" de nenhum atleta. Caso queira investir mais do que essa quantia, o torcedor teria de distribuir o dinheiro entre diversos atletas.

Presidentes elogiam projeto

O Panela já tem parceria com mais de 20 clubes. Presidente do Sampaio Corrêa, um dos clubes associados, Sérgio Frota fez elogios ao projeto. Sem ainda ter recebido nenhuma quantia referente ao site, o cartola aposta neste tipo de plataforma para buscar alternativas no futebol.

"Ainda não recebi nenhuma quantia do site, mas acho muito válido o projeto do Panela FC. Conversei muito com o Diego antes de fechar o acordo com o Sampaio. Eu acho que gerando receita para o clube vai ser sempre interessante. E a ideia é muito boa nesse sentido de gerar receita para os clubes", disse o presidente do Sampaio Corrêa, que reclamou da atuação dos investidores.

"Eu acho que essa nova medida da Fifa é correta. Acho que o investidor é maléfico. O cara chega e oferece dinheiro ao jogador. O investidor não investe em futebol e, sim, em jogador, é isso que eles querem. Eu digo isso porque peguei um time na Série D e coloquei na B e sei de todas dificuldades que passamos para chegar até aqui. Temos de rever a gestão do futebol e o projeto do Panela pode ajudar um pouco nesse sentido", argumentou Sérgio Frota.

Sávio é uma das apostas do PanelaDivulgação

Quem fez coro ao discurso a favor do programa foi o presidente Jorge do Rosário, do Potiguar, do Rio Grande do Norte, outro clube associado.

"Nós temos uma perspectiva muito boa em relação ao projeto do Panela. Começou há pouco tempo e estamos esperando que ele dê certo. Nós aqui no Potiguar investimos muito em categorias de base. Temos bons garotos aqui e acho que esse site abrirá porta para esses atletas", disse o presidente do Potiguar.

Uma das apostas do Potiguar, no Panela FC, é o jovem Sávio. O atacante já despertou interesse em grandes clubes do futebol brasileiro e agora pode aumentar ainda mais a visibilidade do clube do Rio Grande no Norte.

"Temos muita esperança nele (Sávio). Estamos investindo no futuro dele, mas sem pular etapas. Tivemos alguns clubes interessados nele e até fizeram convites para ele ir jogar em equipes sub-20, mas conseguimos segurar. Se a gente ficar só no Rio Grande do Norte, não teríamos amplitude nacional e o projeto do Panela está nos dando isso. Você (jornalista) está me ligando por conta do Panela. Se não fosse o site, o Sávio ainda estaria desconhecido", completou.

Apesar das inovações que o futebol está promovendo, o presidente do Potiguar não acredita na "extinção" dos empresários.

"De alguma forma o empresário vai sempre estar no futebol. Os clubes estão quebrados e o dinheiro vai vir deles (empresários). O custo vai ser maior porque cuidar de um clube é mais caro do que cuidar de um ou dois jogadores", concluiu.

Jonas pode 'inaugurar' o site

O volante Jonas, destaque do Sampaio Corrêa na Série B do Brasileirão, está especulado como possível reforço de Cruzeiro, Corinthians, Flamengo ou Fluminense. Ele pode ser o primeiro jogador vinculado ao site que será negociado.

Reportagem de Victor Abreu

Você pode gostar