Por pedro.logato

Rio - Walter chegou ao Flu como grande contratação, um craque absoluto que seria titular sem contestações. Mas, aos poucos, o encanto se desfez entre quilos a mais ou a menos e Walter perdeu muito espaço e foi para a reserva. Há poucos jogos voltou ao lado de Fred e vem jogando bem, mesmo sem o brilho de antes. Walter é o enigma do Flu e não se sabe até agora qual a dimensão do seu futebol e da sua importância, pois é um elo entre o clube e patrocinadora. No futuro próximo, vai depender da vontade política e das condições de pagar mais de R$ 6 milhões ao Porto pelos direitos econômicos. A recuperação de Walter é um sintoma positivo e se vier a vaga na Libertadores, as chances são boas. O problema é saber se Walter vai decolar ou continuar como um vagalume.

Fluminense melhorou com a entrada de WalterDivulgação

LEVE RISCO

Pelos seis jogos que faltam na tabela, o Vasco está bem posicionado para permanecer entre os quatro primeiros da Série B, mas convém não acreditar muito nisso. O próximo jogo, contra o Paraná, envolve risco e, em caso de derrota, a combinação de outros resultados poderá colocar o Vasco em maus lençóis. Então, haveria o perigo de o fator emocional comprometer a reta final.

EXAGERO

Pela carência de ídolos e artilheiros, qualquer jogador que se destaque um pouco merece grandes elogios e esperanças sem fim. O caso de Wallyson, do Botafogo, é pontual. E ele começou bem, fez dois golaços na Libertadores mas depois caiu em um vazio absoluto. Contra o Flamengo, ressurgiu com aquele golaço e voltou a ser herói. Até quando?

MEMÓRIA

O clássico Flamengo x Atlético-MG já proporcionou partidas memoráveis e construiu a maior rivalidade interestadual do país. Muito por conta do jogo bizarro da Libertadores em 1981, quando José Roberto Wright expulsou vários jogadores do Galo e o jogo não chegou ao fim. O árbitro exagerou na dose, o time mineiro se perdeu e entrou em uma canoa furada.

O GRANDE PAPA

Leitura obrigatória para quem admira o Papa Franci</MC>sco e gosta de futebol é o livro de Michael Part ‘O Papa que ama o futebol’. Pequeno, fácil de ler,encantador e relata de forma simples sua trajetória até se tornar um Papa carismático e popular. E mostra a importância do futebol e a paixão pelo San Lorenzo para moldar sua luminosa personalidade.

Você pode gostar