Márcio Guedes: Bom para Fred e ruim para Mano Menezes

Atacante fez dois gols na goleada do Fluminense sobre o Corinthians e técnico do Timão foi expulso de campo

Por O Dia

Rio - O clássico de ontem no Maracanã valia alguma coisa só para o Corinthians (mas não em caráter emergencial), não prometia maiores emoções mas acabou sendo agradável. O gol logo de saída de Guerrero acordou o Flu, que passou a jogar com determinação, o que ocorre raramente. Não fossem as defesas de Cavalieri, o jogo estaria perdido mas, a partir do empate,o Flu tomou conta, liquidou o jogo na fase final e também porque, sem organização, o Corinthians foi à frente deixando espaços na defesa.

Com dois pênaltis a favor, Fred fez a festa: esqueceu o ano ruim da Copa maldita e também os desencontros táticos com o esquema de Cristóvão. Ele chegou à artilharia e brilhou tanto quanto Cavalieri que fez belas defesas o jogo inteiro. O Corinthians teve mais uma jornada amarga e expôs Mano à indignação dos torcedores, o que vai acelerar a sua anunciada saída do clube. Em nenhum momento, ele acertou e apenas montou, na média, um esquemão defensivo. Ontem precisou atacar e levou uma goleada. Ele foi o perdedor do Maracanã.

Crise silenciosa

Após o jogo no Maracanã, em vez de comemorar a vitória e a artilharia, Fred resolveu reclamar da imprensa que o persegue e falar da crise interna e da insatisfação pelo atraso nos pagamentos que envolvem privilégios. Talvez isso agora não importe tanto, mas a reação de Fred e de vários jogadores sugere uma situação insustentável e muita coisa terá que mudar em 2015, incluindo a relação entre clube e patrocinadora. Vem aí um novo Flu, mas não se sabe exatamente qual.

Que bagaço!

Esse time do Botafogo despediu-se ontem melancolicamente da Série A, sem empenho e, de qualquer forma, sem qualidade para enfrentar seus concorrentes. Uma despedida triste, inglória, que conseguiu até reabilitar um artilheiro em crise como Leandro Damião. Mais uma prova de que o novo presidente Carlos Eduardo Pereira tem que fazer uma faxina geral, incluindo o treinador, e iniciar o difícil trabalho de recuperação financeira. O ano de 2014 é para o Botafogo esquecer.

Triste Adeus

A melancólica classificação do Vasco se encaixou bem na partida contra o Avaí, que nem precisou jogar bem para vencer e subir. Os jogadores nem pareciam muito interessados em provar alguma coisa aos próximos dirigentes para futura renovação de contrato. À exceção do goleiro, quase todos foram indiferentes e desinteressados, o que atropelou os interesses de terceiros. Uma campanha pífia que só conseguiu irritar a torcida, mesmo com a volta à série A.

Motivação

O Flamengo foi um time, acima de tudo, motivado contra o Vitória, em Manaus. Talvez pela necessidade de uma certa afirmação após as recentes críticas, talvez pelas declarações de Luxa, mas muito provavelmente pelo desejo de alguns jogadores de dar uma resposta ao técnico Ney Franco que teve um péssimo relacionamento com o grupo em sua passagem pela Gávea. O jogo foi fraco, mas movimentado e o Flamengo acabou impondo sua melhor qualidade.

A mortalidade de Pelé chega ser um incômodo

Com 74 anos, até o melhor jogador da história do futebol padece com problemas de saúde mas parece que, com Pelé, não deveria ser assim e qualquer coisa que diga respeito à sua saúde tem dimensão extraordinária. Não apenas por se tratar de uma megacelebridade, mas simplesmente por ser Pelé. A simples idéia de perdê-lo é especialmente dolorosa. Por isso, as notícias de sua recuperação são muito bem-vindas e que ele tenha vida longa. Pelé, na verdade, sempre estará entre nós

Últimas de Esporte