Por pedro.logato

Rio - Há uma relativa empolgação com o início de ano do Flamengo e pode-se dizer que, dessa vez, não há euforia exagerada. Vanderlei dá indícios de que voltou à melhor forma e tem feito um trabalho consistente, sem inventar muito. A diretoria, depois da fase de sufoco financeiro, conseguiu respirar, evita fazer loucuras mas partiu para contratações que reforçaram moderadamente o time. Everton, Gabriel, Alecsandro, Arthur Maia e Marcelo Cirino parecem dar força ofensiva. A futura saída de Léo Moura já ganhou boa possibilidade de substituição com Pará e todo o esquema defensivo tem se firmado com Cáceres e Canteros no bloqueio. Para melhorar, Paulo Victor atravessa grande fase e há ainda a perspectiva de contratação de um grande craque. Aí seria o melhor dos mundos.

Flamengo vive momento positivoMárcio Mercante

MUDANÇA LÓGICA

A nova diretoria do Botafogo foi muito feliz na ideia de m</MC>udar o nome do Engenhão para Nilton Santos. João Havelange foi um grande desportista, fez trabalho importante na antiga CBD e na Fifa mas tinha pouco a ver com o Botafogo. O clube ocupará por muito tempo e talvez para sempre o Engenhão, e dar o nome da enciclopédia, o craque eterno Nilton Santos, é perfeito.

SINAL DOS TEMPOS

Os sinais de crise crônica d</MC>o futebol brasileiro persistem e nem o vexame da Copa serviu para mudar alguma coisa. Vejam o caso do Santos: até pouco tempo era exemplo de boa administração e de revelar talentos. Pois bem, o clube de Robinho, Diego e Neymar está devendo milhões, tem salários atrasados e vive fase caótica.

E AGORA, WALTER?

Embora todo o foco tricolor se fixe em Fred, será a performance de Walter que ditará o novo perfil tático, balizar o nível técnico do time e até garantir ou não a tranquilidade de Fred nas Laranjeiras. Walter vai precisar jogar muito mais do que fez até agora, talvez até mais do que fez no Goiás. Difícil acreditar que, sem perder uns quilos, Walter dará conta da missão.

TIRO FATAL

A perda de Everton Ribeiro será muito sofrida para o Cruzeiro, mesmo que os cofres do clube passem a viver dias de glória. Depois da dispensa de Marcelo Moreno e da venda de Ricardo Goulart, Lucas Silva e Everton Ribeiro as coisas saíram do rumo. Dificilmente haverá plena recuperação a curto prazo. Ruim para o futebol brasileiro.

Você pode gostar