Por pedro.logato

Piauí - A rotina de Antônio Pedro de Almeida na modesta cidade de Campo Maior, no interior do Piauí, sempre foi conduzida com muita paz e tranquilidade. Fã de corrida de automóveis desde menino, o açougueiro, hoje com 70 anos de idade, teve ontem uma grata surpresa — que mudou o seu pacato dia a dia: viu de perto os modernos carros, motos e quadriciclos do Rally Piocerá — cujo percurso corta vários municípios do interior do Piauí e do Ceará, e tem um ponto de parada na BR 343, bem perto da loja onde ele pendura pedaços de uma tradicional carne sol nordestina.

“Ilumina o coração da gente uma surpresa dessas, é uma lembrança para o fim da vida. Sempre que posso, eu vejo as corridas pela televisão e, hoje, eles estão aqui pertinho da minha loja. Nem me importo com essa poeira em cima da carne. É muita alegria, Ave Maria! É melhor que futebol”, vibrou Antônio, que revelou ser torcedor do Flamengo.

Com os olhos brilhando de alegria, Antônio disse ter ficado muito satisfeito por conhecer tantas pessoas do rali e quase dobrar o seu faturamento diário com a venda das carnes. Ele só lamentou o fato de não poder seguir até o fim da estrada junto com a comitiva da competição.

“Gosto muito do Rally Piocerá, mas não posso acompanhar na estrada, não tenho condição. É tão lindo de se ver que se eu pudesse iria atrás. É um esporte que muita gente gosta, mas não pode fazer. Eu, por exemplo, tenho que vender muita carne para comprar um carro bonitão desses”, brincou o açougueiro.

Você pode gostar