O nosso futebol continua o mesmo

Brasil ainda tem jogadores de referência no mundo

Por O Dia

Rio - Continua o mesmo, com os seus muitos defeitos e históricas qualidades que ainda se concentram no talento de alguns jogadores.Pelo que se viu essa semana, ainda é possível que um jogador de referência como Thiago Silva seja vilão e heroi em um mesmo jogo, mas ali perto vários brasileiros reunidos repetiam o vexame do Brasil na Copa na derrota estrepitosa do Shakhtar para o Bayern Munich. O presidente da CBF, José Maria Marín, nada fez em nove meses desde a Copa e não produziu qualquer mudança significativa na estrutura geral, a não ser pela troca da Comissão Técnica da Seleção. Vem dizer agora que o Brasil perdeu a Copa no jogo contra a Colômbia pelos problemas com Thiago Silva, suspenso, e Neymar, lesionado, como se tudo já não estivesse mal desde o início e ignorando o caos emocional.A Comissão afundou nos planos tático e psicológico e a CBF, se nada soube fazer antes e durante a Copa, nada mudou depois. Os alemães não pararam de fazer gols.

Thiago Silva marcou na prorrogação e foi o herói da classificação do PSG sobre o Chelsea na Liga dos CampeõesReuters

ESTRANHA DUPLA

Será que a dupla Thiago Silva-David Luiz ainda pode ser considerada titular absoluta na Seleção? O primeiro é tecnicamente excelente mas mostra instabilidade em alguns momentos, não apenas técnica mas emocionalmente. Mas tem muito talento. E David Luiz também carrega tremenda oscilação- ele pode ser um líder fantástico em situações difíceis e ataca para decidir. Mas também é estabanado e às vezes tumultua o time.Há chances para Miranda e Marquinhos.

POSIÇÃO CARENTE

O susto recente com a lesão de Danilo fez sentido porque a sua ausência traria problemas para a Seleção. Não foi à toa que os espanhois pagaram uma fortuna pelo seu passe porque a sua recente evolução tem sido extraordinária.Na Seleção, Daniel Alves andou pisando na bola por muito tempo e Danilo aparece como a melhor alternativa, sem concorrentes. Até nos clubes por aqui,é raro encontrar um lateral sequer razoável.A posição exige o máximo de qualidade técnica e preparo físico.

NÃO FOI SÓ A CAMISA

Pode-se entender perfeitamente que a torcida do Flamengo não goste de qualquer camisa muito diferente da tradicional, especialmente as que lembrem a do papagaio de vintém. Ela sempre complica.Superstição à parte, a virada em cima do Volta Redonda ocorreu porque o time mostrou mais seriedade, Vanderlei mexeu corrigindo o seu próprio equívoco de escalação e colocou Alecsandro em campo,o que deveria ter ocorrido desde o começo. E ninguém aguenta mais a discussão sobre Cirino.

LONGE DO POSSÍVEL

Jobson está em uma encruzilhada sem galinha preta.Ele avançou em relação a tempos recentes de esbórnia e desagregação e tem recebido elogios de René Simões. É útil ao time e faz gols.Ao mesmo tempo, continua desperdiçando o seu potencial e impedindo que o seu futebol que pode ser de exceção ultrapasse a faixa do comum.Ele não resiste a uma firula e perde gols porque não gosta do simples, do objetivo.De um jeio menos caótico, mas egoísta,Jobson continua se boicotando.

PARA O BEM E PARA O MAL, EURICO SÓ TUMULTUA

Há quem acredite na loucura positiva de Eurico, que a sua paixão misturada a interesses pessoais acabe sendo benéfica para o Vasco.Depois da lambança de Roberto, ele até consegue pôr um pouco mais de ordem na casa e se impõe na questão dos locais dos clássicos contra Fla e Flu. Se a decisão de ignorar o Maracanã é emocional e deficitária, permite uma reflexão sobre a ditadura dos consórcios e das arenas.

Últimas de Esporte