Por renata.amaral

Rio - Anderson Silva vem movimentando não somente o mundo do MMA, mas também o do Taekwondo. O atleta, que é faixa preta na modalidade, declarou que está à disposição para entrar na seleção brasileira e disputar a Olimpíada do Rio. Recentemente, a Confederação Brasileira de Taekwondo (CBTKD) definiu que a categoria peso-pesado irá preencher uma das quatro vagas excedentes que possui por ser sede dos Jogos Olímpicos. Spider competiria nesta divisão, por pesar mais de 80kg. As outras três categorias permanecem indefinidas, sendo mais uma masculina e as demais, femininas.

Diogo Silva comentou sobre Anderson Silva na seleção brasileira de TaekwondoReprodução Twitter

Além das quatro vagas que possui por receber os jogos, que serão preenchidas através de um processo seletivo interno, o Brasil pode levar mais quatro lutadores de Taekwondo para a competição. A classificação é feita a partir do Ranking Olímpico mundial, onde os seis melhores atletas de cada categoria são selecionados.

LEIA MAIS: Basquete, vôlei, tênis e muito mais: acompanhe os esportes olímpicos

Diogo Silva, atleta de Taekwondo, campeão nos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio, e medalha de bronze em Santo Domingo, República Dominicana, em 2003, comentou a polêmica em torno da entrada do Spider na Seleção.

"Em dezembro deste ano já encerra o processo de pontos no Ranking Olímpico. Ele teria de abril até dezembro para conseguir pontuar no ranking mundial, para ser um dos atletas pré-selecionados", disse Diogo ao O Dia. O atleta também afirmou que a entrada de Anderson na competição pode ter um lado positivo e um negativo: publicidade e medalhas, respectivamente.

"Tem dois lados, o da publicidade, retorno de mídia, investidores. O Anderson vai agregar caso conquiste a vaga, o que é muito positivo para ele como atleta, por estar a primeira vez no meio de atletas olímpicos. O esporte vai ganhar mais visibilidade, pode alcançar um padrão que a gente ainda não conseguiu. O outro lado é o dos resultados. A Olimpíada é a competição mais difícil do mundo, os atletas estão se preparando há anos. Ter uma referência, mas não ter uma medalha é algo que para o Brasil não é tão interessante, já que o Taekwondo masculino ainda não ganhou uma medalha olímpica", ponderou.

Diogo Silva está na preração para alcançar sua vaga. O atleta é o 17º colocado na sua categoria no ranking nacional, divulgado no início de abril. O medalhista pan-americano participou de duas competições neste ano, uma no Egito, em que terminou entre os seis primeiros, e outra na Ucrânia, em que subiu no pódio.

"Na Ucrânia fiquei em terceiro, fiz a semifinal. Foi a primeira medalha do ano. Vou fazer mais seis competições este ano. A meta é atingir os 50 pontos", concluiu.


Reportagem de Renata Amaral

Você pode gostar