Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero também receberam propina, diz jornal

Ex-presidente e atual da CBF foram citados na investigação do FBI como dirigentes que também ganharam dinheiro por fora

Por O Dia

São Paulo - Não param de surgir evidências e novos fatos na investigação do FBI sobre a corrupção no futebol. De acordo com a Folha, José Maria Marin, ex-presidente da CBF e um dos presos na operação de quarta-feira na Suíça, dividiu propinas recebidas pela exploração comercial da Copa de 2014 no Brasil com Ricardo Teixeira, também ex-presidente, e Marco Polo Del Nero, atual mandatário da entidade.

LEIA: CBF tira nome 'José Maria Marin' da fachada da sua sede na Barra da Tijuca

Del Nero e Ricardo Teixeira são citados%2C indiretamentes%2C nos relatórios do FBIReprodução

No ano passado, no mês de abril, quando ainda era o presidente da CBF, Marin teria conversado com J. Hawilla, dono da empresa de marketing Traffic, e sugeriu que a propina que vinha sendo compartilhada com o antecessor Ricardo Teixeira deveria ser paga apenas a ele e a Del Nero, que viria a ser o futuro presidente.

Segundo a reportagem, quando Hawilla perguntou se era necessário continuar pagando propinas para Teixeira, Marin soltou a frase: "Está na hora de vir na nossa direção. Verdade ou não?". O dono da Traffic concordou: "Claro, claro, claro. Esse dinheiro tinha de ser dado a vocês"

Autoridades suiças, juntamente com o FBI, iniciaram na madrugada desta quarta-feira (horário de Brasília) uma operação para prender funcionários do alto escalão da Fifa e extraditá-los ao Estados Unidos - o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, está entre os detidos.

Horas após o início da operação policial, as autoridades suíças também abriram procedimentos criminais sobre a forma como se deram as escolhas das Copas do Mundo na Rússia, em 2018, e no Catar, em 2022.

Últimas de Esporte