Presidente de clube italiano confirma esquema de compra de resultados

Antonino Pulvirenti pagou 100 mil euros por cada partida

Por O Dia

Itália - O presidente do Catania, Antonino Pulvirenti, confirmou diante dos procuradores nesta segunda-feira que comprou os resultados de cinco partidas do Campeonato Italiano da segunda divisão para evitar o rebaixamento.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e jogos: os destaques do futebol internacional

Presidente do Catania%2C Antonino Pulvirenti, revelou a compra de cinco partidasDivulgação

A informação foi confirmada pelo procurador Giovanni Salvi, que conduz as investigações. Pulvirenti ainda admitiu ter dado 100 mil euros por cada jogo e disse que o fez pensando apenas em salvar o Catania da terceira divisão e não para cometer fraude com as finanças do clube.

Já o CEO do time, Pablo Consentino, negou ter participado do esquema e falou que as acusações vão contra todas as ações que desenvolveu junto aos torcedores na temporada passada. A operação desencadeada pela Procuradoria de Catania detectou a manipulação de resultados em cinco jogos do clube na série B, através de interceptações telefônicas.

A fraude ocorre nas disputas contra o Varese (3 x 0 no dia 2/4), contra o Trapani (4 x 1 no dia 11/4), contra o Latina (2 x 1 no dia 19/4), contra o Ternana (2 x 0 no dia 24/4) e contra o Livorno, no dia 2 de maio, em jogo que terminou empatado em 1 a 1. A partida contra o Avellino, no dia 19 de março, em que o Catania venceu por 1 a 0, também está sob suspeita.

O suborno ocorreu após o dia 21 de março, quando o Catania perdeu para o Virtus Entella, por 2 a 0, e entrou na zona de rebaixamento do torneio. Entre a 33ª e a 37ª rodada, o clube conseguiu pular dos 32 pontos para os 47 e ficar no centro da tabela. A partida da 38ª rodada, a sete pontos do descenso, o Catania recomeçou a perder e conquistou apenas dois pontos nas últimas cinco disputas. Porém, com a compra dos confrontos, não havia mais o risco de cair novamente. Por fim, a equipe terminou na 15ª colocação.

Além do presidente e do CEO, outras cinco pessoas foram presas pelo esquema fraudulento e mais uma dezena foi chamada para depor sobre o caso. Nenhum jogador foi citado no crime.

Últimas de Esporte