Maradona defende Messi, mas diz que o craque não precisa ser mimado

Ex-jogador pede para não culparem Lionel pelo vice da Argentina na Copa América e ressalta que ele deve ser tratado como mais um no meio do elenco argentino

Por O Dia

Canadá - Diego Maradona garantiu em entrevista publicada nesta segunda-feira, que Lionel Messi não pode ser crucificado pelo vice da Argentina na Copa América, mas avaliou que um tratar o craque como mais um no meio do elenco, é uma saída para que ele renda como no Barcelona.

"Temos o melhor do mundo, que vai lá e faz quatro gols na Real Sociedad, mas vem aqui e não marca. Me diga, ele é argentino ou sueco? Deixem de amolar, os que dizem que é preciso mimá-lo. É preciso tratar Messi como se trata qualquer outro jogador que veste a camisa da seleção", disse o antigo camisa 10, em entrevista ao jornal esportivo "Olé".

Diego Maradona sai em defesa do craque do BarcelonaEfe

Maradona afirmou que o craque não está imune às críticas, mas condenou o imediatismo com que se ataca o jogador. Para o agora apresentador de TV, não é possível pensar na Argentina sem a presença do melhor jogador do país na atualidade.

"Os que criticam para que ele melhore, perfeito. Agora, fazer uma enquete para ver se ele tem que jogar na seleção ou não? Estamos fugindo do tema, amigos. Queremos mudar o presidente! Não temos que ser extremistas, mas também não temos que nos acostumar a ser vice sempre", garantiu.

Ao aliviar a barra de Messi, Maradona aproveitou para criticar a postura do elenco da seleção 'albiceleste', que não conseguiu superar em 120 minutos a seleção chilena, em jogo que terminou 0 a 0, com os anfitriões da Copa América levando a melhor nos pênaltis.

"O Chile foi superior, teve mais atitude, enquanto alguns da Argentina apenas caminhavam, e não falo de Messi. Ele continua sendo tão fenômeno como sempre. Eu não o vi caminhar como todos dizem", afirmou o aposentado craque.

'El Pibe' ainda falou na entrevista sobre o retorno do atacante Carlos Tévez ao Boca Juniors, revelando que o destino do atleta poderia ter sido outro, caso a opção dele fosse exclusivamente financeira.

"O Atlético de Madrid o deu um cheque em branco para que assinasse, mas ele disse: 'quero ir para Buenos Aires'. O torcedor tem que ir agradecer", disse Maradona, se referindo a apresentação do jogador, que definiu como "monstro".

Últimas de Esporte