Por edsel.britto

Toronto - O nadador Thiago Pereira se tornou o maior medalhista da história dos Jogos Pan-Americanos, com 23 pódios, mas não é único brasileiro que merece o apelido de Mister Pan. Ele pode dividir o papel tranquilamente com o velejador Claudio Biekarck, que em Toronto manteve 100% de aproveitamento no evento e atingiu um feito histórico.

Ao ficar com o bronze na classe Lightning ao lado de Gunnar Ficker e Maria Hackerott - ter tripulação mista era uma exigência da organização para este tipo de embarcação -, Biekarck, aos 64 anos, se tornou o mais velho brasileiro a chegar ao pódio em Jogos Pan-Americanos, superando Nelson Pessoa, que tinha 60 quando medalhou no hipismo em Mar del Plata-1995.

O paulista também se tornou o brasileiro com mais participações no Pan: nove, superando as oito presenças do atirador Durval Guimarães, com oito, além de manter aproveitamento de 100% na vela pan-americana, com nove medalhas conquistadas. Na lista de maiores medalhistas do país no evento, Biekarck pulou para o oitavo lugar, superando o nadador Cesar Cielo, que coleciona oito pódios.

Claudio Bierkarck comemora mais uma medalha no Pan%2C aos 64 anosGaspar Nobrega/Inovafoto

O velejador soma um ouro em Caracas-1983; três pratas (Cidade do México-1975, Mar del Plata-1995 e Winnipeg-1999) e cinco bronzes (Indianápolis-1987, Havana-1991, Rio de Janeiro-2007, Guadalajara-2011 e Toronto-2015). Dos nove pódios na história do Pan, oito foram ao lado do proeiro Gunnar Ficker.

“Comecei na Cidade do México, em 1975, na Finn. De lá para cá só deixei de participar em San Juan-1979 e em Santo Domingo, em 2003. Além da Finn, sempre competi na Lightning com Gunnar de proeiro. É uma satisfação ter ganhado medalha em todas as participações”, festejou Biekarck, que já foi treinador de Robert Scheidt, medalha de prata na classe Laser em Toronto.

A vela brasileira fechou sua participação no Pan de Toronto neste domingo com seis medalhas (dois ouros, duas pratas e dois bronzes). Apesar de ter ido ao pódio nas cinco classes que também constam nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, dois favoritos não conquistaram o ouro: Robert Scheidt (Laser) a a dupla Martine Grael/Kahena Kunze, ambos levaram a prata. Já Ricardo Winicki, o Bimba, com o título na RS:X entrou para o seleto grupo dos tetracampeões do Brasil em Jogos Pan-Americanos.

*Reportagem de Thiago Rocha

Você pode gostar