CBF diz que substância de Fred não fazia parte de lista de medicamentos

Volante diz que nunca utilizou qualquer substância ilícita e que irá provar sua inocência na Justiça

Por O Dia

Rio - A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), se pronunciou oficialmente nesta sexta-feira (31), sobre o caso do volante Fred, do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, flagrado em exame antidoping realizado durante a Copa América.

LEIA: Romário diz que CPI do Futebol ouvirá José Maria Marin na prisão em Zurique

De acordo com a nota, a entidade enviou com antecedência os medicamentos que seriam utilizados por seus jogadores na disputa do torneio continental para a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e que a substância hidroclorotiazida (proibida) não fez parte da lista.

A CBF disse ainda que está à disposição dos órgãos que investigam o caso e dos assessores e advogado do jogador para maiores esclarecimentos.

Fred foi flagrado no exame antidopingErnesto Carriço

Outro lado

Por meio de sua assessoria de imprensa, Fred se defendeu e afirmou nunca utilizou qualquer medicamento proibido. "Nunca fiz uso de qualquer substância ilícita. Confio na minha inocência e vou provar isso perante os órgãos competentes. Tenho uma trajetória limpa no futebol e conto com o apoio de todos."

Confira a nota completa abaixo:

"Em relação ao resultado do exame para controle de doping do atleta Frederico Rodrigues Santos, Fred, o departamento médico da Seleção Brasileira de Futebol, esclarece que:

1. Cerca de dois meses antes do início da Copa América do Chile 2015, a organização do evento exigiu uma lista completa de todos os medicamentos, assim como a quantidade que seria levada pela Seleção Brasileira para a competição. O pedido foi, prontamente atendido e a lista encaminhada, no dia 02 de abril de 2015;

2. Segundo informe da Conmebol, o exame para controle de doping realizado no atleta em questão identificou a presença da substância hidroclorotiazida, que não faz parte da lista enviada, tampouco da relação de medicamentos padronizados pela CBF. Portanto, não tínhamos esse medicamento a nossa disposição e o mesmo não foi ministrado pelo corpo médico da Seleção Brasileira de Futebol;

3. O departamento médico coloca à disposição dos órgãos competentes o prontuário do atleta e todos os demais documentos, caso necessário;

4. Para finalizar, ressaltamos que estamos solidários ao atleta e que, a partir de então, seus assessores e advogados, caso entendam, poderão passar mais esclarecimentos."

Últimas de Esporte