Nem o Flamengo escapou do desastre

Fim de semana de futebol carioca para esquecer

Por fabio.klotz

Rio - Após as derrotas de Fluminense e Botafogo, sábado, e do péssimo empate do Vasco, no Maracanã, esperava-se que o Flamengo salvasse a honra do futebol carioca e recolocasse o time em boa posição na busca pelo G-4. Que nada! A rodada terminou sem sequer um golzinho de times do Rio. O Fla se nivelou à mediocridade e à correria da Ponte Preta, e, para quem tem Guerrero, Sheik e um time superior, esperava-se muito mais.

Guerrero passou em branco e viu o Flamengo perder para a Ponte PretaEstadão Conteúdo

O Fla teve domínio territorial, mas raramente ameaçou - houve lances de perigo desperdiçados por Sheik e Guerrero, que até acertou a trave. Depois do 0 a 0 no primeiro tempo, temeu-se pelo pior e a Ponte soube aproveitar o seu momento no gol confuso de Pablo na bola de escanteio. Guerrero decepcionou e ficou bem abaixo do que se esperava dele, até pelo terceiro cartão amarelo no fim. Aliás, o Flamengo continua dando mole e os jogadores andam aceitando tudo normalmente, como se o único objetivo fosse fugir do rebaixamento.

Derrota inoportuna e lamentável, com o treinador piorando o time no segundo tempo e jogadores-chave como Sheik e Guerrero sem capacidade de decisão. O empate até seria possível, mas o Flamengo flertou com a derrota e foi correspondido.

Apoio inútil

Como estava previsto, a torcida do Vasco foi em grande número ao Maracanã e proporcionou espetáculo emocionante - que o time não merecia. Ficou provado que, em condições climáticas boas, o horário é um sucesso e até deu confiança a uma torcida preocupada, que acreditou na magia do Maracanã. Mas como bem mostraram exemplos recentes (Flamengo x Santos) não basta a torcida imensa gritando nas cadeiras. Se não houver bom futebol, não há santo que dê jeito.

Nem o Joinville?

O torcedor deve estar se perguntando: se o Vasco jogando em casa, com o Maracanã cheio, não conseguiu vencer um dos piores times do Brasileiro, vai fazer o que no campeonato? Foi uma atuação terrível, com início desastroso, de muitas falhas na defesa, depois um domínio inconsequente com várias chances perdidas e uma fase final em que nenhuma solução apareceu. Além da defesa vulnerável, ninguém no ataque resolveu. Com culpa ou não, pode sobrar para Celso Roth.

Anticlímax

Após a boa estreia de Ronaldinho, a expectativa era de uma reação forte do Flu no Brasileiro. Mas a derrota para o Avaí deixou dúvidas sobre a capacidade de reação na briga pelo título. A ausência de Jean, Gerson e Fred sobrecarregou R-10, que, bem marcado, só apareceu em bolas paradas e raros lances. Como Cavalieri vacilou no gol do Avaí, ficou difícil. Dessa vez, Marcos Júnior não decidiu e a torcida sabe que confiar em Magno Alves ou Wellington Paulista é furada.

Um furacão nas águas chamado Katie Ledecky

A americana Katie Ledecky foi a grande sensação do Mundial de esportes aquáticos de Kazan não só por ganhar a inédita quinta medalha de ouro. Ela bateu o seu recorde mundial em mais de três segundos e terminou a prova de 800m livre mais de dez segundos antes da segunda colocada, Lauren Boyle. Certamente nunca houve na história da natação feminina fenômeno como esse. O Brasil melhorou, mas continua alguns patamares abaixo da elite mundial. Será impossível recuperar tanto tempo perdido em um ano.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia