Ídolo do Flamengo, Petkovic faz balanço do início de sua carreira como técnico

Ex-jogador sérvio comanda atualmente o Criciúma, onde emplacou uma série de 11 jogos de invencibilidade na Série B

Por O Dia

Santa Catarina - Petkovic tem uma trajetória de sucesso dentro das quatro linhas. O ex-jogador agora começa a trilhar um novo caminho, este à beira do campo. Acostumado a liderar os times em que atuou, desde 2014 o sérvio se dedica a comandar sem a bola nos pés. Técnico do Criciúma, Pet começou bem a sua carreira como treinador - emplacou uma série de 11 jogos de invencibilidade na Série B (cinco vitórias e seis empates). Com 19 partidas à frente do Tigre, contando com a Copa do Brasil, o ex-camisa 10 coleciona sete vitórias, nove empates e apenas três derrotas.

"Eu esperava este início bom mesmo. A gente está fazendo um bom trabalho. Acho que estou indo bem, mas como sou muito exigente e crítico, acho que poderia ir melhor, inclusive", autoavaliou Pet, em entrevista ao O Dia

Petkovic é o técnico do CriciúmaAndré Mourão

A carreira como técnico teve início no time sub-23 do Atlético-PR, em 2014. Pet comandou a equipe no campeonato estadual. Apesar da experiência anterior, foi no Criciúma que o sérvio passou a comandar sua primeira equipe principal. 

"O trabalho no Atlético-PR foi no campeonato estadual, independentemente do time que jogou. Jogamos com o time misto do profissional também. Fomos bem no ano passado. A diferença agora é grande. De campeonato estadual para a Série B. Foi tranquila a transição. O mesmo método está sendo aplicado e assimilado pelos jogadores", explicou.

Quando jogador, Petkovic atuou pelo Vasco e pelo Fluminense, mas foi com o Flamengo que conquistou o Campeonato Brasileiro de 2009, além da idolatria por ter feito o gol de falta do tricampeonato carioca da equipe, em 2001. Apesar da grande identificação com a torcida rubro-negra, o agora técnico garantiu não haver preferência de equipes para comandar.

Petkovic garantiu o tricampeonato para o Flamengo e virou ídolo do clubeMarcelo Regua / Agência O Dia

"Um dia vou ter a oportunidade tanto de treinar o Vasco, quanto de treinar o Flamengo. Estou no início desta minha nova carreira e quando chegar a oportunidade vai ser no momento certo. Eu joguei em vários clubes como profissional. Como técnico, tenho a possibilidade de treinar muito mais clubes que joguei. Vida de técnico é mais troca troca do que a de jogador. Seria um grande prazer treinar qualquer um dos clubes em que joguei", disse.

A ascensão do apelo por técnicos estrangeiros no futebol do Brasil não deslumbra Pet. O sérvio garante que há espaço no mercado para todos os treinadores.

"Sempre tem umas correntes que criticam uns ou outros, sejam técnicos nacionais ou estrangeiros. Nenhuma corrente tem 100% de razão. Eu acho que os dois são bons. Cada um tem de ser respeitado. Mas nós temos técnicos brasileiros bons. Tem de ter mistura, troca de informações e atualizações. Cada um pode fazer um bom trabalho", analisou.

O contrato com o Criciúma vai até o fim deste ano. Com um bom trabalho sendo feito no clube, Petkovic garante não estar pensando em seu futuro para a próxima temporada, já que o trabalho está focado no objetivo principal do time de Santa Catarina: o acesso à elite do futebol nacional.

"O Criciúma é um clube grande para a Série B e tem a possibilidade de voltar para a Série A. Meu acordo com o clube é até o fim do campeonato. Não estou analisando nenhuma proposta, porque meu pensamento e meu trabalho são dedicados a tentar fazer a minha tarefa da melhor forma possível", concluiu.

Reportagem de Renata Amaral

Últimas de Esporte