Por fabio.klotz

Rio - Como aqui peixe na linha é gol, estão aí os leitores felizardos que, mesmo nessa escassez, marcaram dois golaços e foram os campeões de junho e julho do ‘melhor pescador do mês’. Em junho, foi o professor José Wilson quem ensinou como se pesca. Ele fisgou belo exemplar de sororoca, a bordo do barco do guia Reginaldo, na Costa Verde. Velha conhecida da coluna, Nathalia Carvalho, pela terceira vez, venceu a disputa, em julho, ao capturar pescada amarela gigante, na Baía de Guanabara. Os dois receberam os prêmios, no Shopping Avenida, das mãos do parceirão Rafael Cabada. Mande a sua foto e concorra também.

José Wilson e Nathalia Carvalho faturaram o prêmioDivulgação

Para participar do ‘melhor pescador do mês’, enviar foto com nome e peso do peixe, fisgado de linha e anzol; nomes do pescador e de uma testemunha e telefones; isca e material usados; local e data da pesca. As fotos têm que ser tiradas no local da pescaria.

Mais concorrentes

Temman Martins: robalo-flecha, na isca artificial, no Rio Guandu; Heitor Santos: corvina, isca artificial, em Itacuruçá; Paulo Ferreira Junior: badejo, na isca arificial, em pesca de caiaque em Jurujuba; Paulo Roberto Coimbra: namorado, na isca de lula, na Ilha Rasa.

Mais concorrentes ao prêmioDivulgação

Fim dos peixes?

O que nós, pescadores amadores, já suspeitávamos há algum tempo está mesmo acontecendo em todo o mundo: a redução drástica de peixes nos oceanos. Estudo do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês) lança grave alerta. A quantidade de peixes nos mares caiu à metade desde 1970. As espécies mais atingidas são atum, cavala e bonito, que tiveram queda de, pasmem, 75%.

Redes, as vilãs

Estudo monitorou 5.829 populações de 1.234 espécies, como focas, tartarugas, golfinhos e tubarões. As causas também são velhas conhecidas: a pesca excessiva, a poluição e mudanças climáticas. Os danos de redes de arrasto a recifes de coral e mangues, berçários de muitos peixes, são outra praga.

Para não acabar

O freio ao colapso pesqueiro tem jeito, segundo o WWF. Para isso, os governos devem aderir à pesca sustentável (dar tempo para que as espécies se reproduzam). E mais. Até 2020, a prioridade deve ser o restabelecimento das populações de peixes. Você acredita que o Brasil seguirá algumas dessas medidas?

Tempo e marés

Predominância de ventos do quadrante norte- nordeste afasta a possibilidade de chuvas no fim de semana no Rio. O sol aparece entre nuvens. A agitação no mar dá uma trégua. Mas as ondas podem subir um pouco no domingo. De Lua Nova, as variações das marés para hoje são: alta a 1.1m, às 5h, e 1.1m, às 17h10; e baixa a 0.4m, às 12h, e 0.4m, à meia-noite.

Dicas de peixes

De Carlinhos Piraúna: São Conrado — corvina e papa- terra (dia); Pracinha Niemeyer — marimbá (dia), papa-terra (noite); Arpoador — carapicu (dia); Copacabana — corvinota e papa-terra (noite); Leme — carapicu (dia); pista Claudio Coutinho — marimbá (dia); Flamengo — corvinota (dia); Pedra da Onça, Ilha do Governador — corvinota ( dia/noite).

De Gilberto Ohoishi: (22)- 99839-6442: em Arraial do Cabo, na Praia Grande — corvina, tira-e-vira, pargo e goete; Ponta do Focinho — maria- mole, castanha, goete, tira-e-vira e lanceta; largo da Ilha do Farol— pargo, olho-de-cão, peruá e cavalinha; largo da Pedra Vermelha — cavalinha, peruá e pargo; Boca da Barra de Arraial — pescadinha, castanha e goete; Ponta da Prainha — maria-mole, castanha e goete.

Você pode gostar