Por renata.amaral

França - As equipes de Fórmula 1 Force India e Sauber entraram com uma reclamação formal no Comissariado Europeu para a Concorrência sobre um possível "cartel" na categoria automobilística. Segundo os times, há distorções na "governabilidade" do circo e na estrutura de distribuição da renda.

"Nós recebemos a denúncia e a avaliaremos", disse o porta-voz da comissária Margrethe Vestager, Ricardo Cardoso, sem dar mais detalhes sobre todo o processo.

O chefe da Force India, Vijay Mallya, confirmou que sua escuderia está entre as requerentes e que pediu melhorias no sistema de divisão de cotas e de individualização das regras que "são impostas de um modo injusto e ilegal".

Segundo o portal especializado "autosport.com", as duas equipes lamentam que o grupo CVC Capital Partners, que administra a F1, favoreça financeiramente as cinco principais escuderias - Ferrari, Red Bull, Mercedes, McLaren e Williams.

Ainda de acordo com o site, o cerne da reclamação é sobre US$ 249 milhões arrecadados no ano passado e que foram entregues aos cinco times além das somas que são divididas entre todos os participantes do Mundial de Construtores. Tal "bônus" foi concordado entre essas equipes em 2012.

Já o jornal "Times", afirmou ter acesso ao documento e comentou sobre uma das partes mais importantes da reclamação.

"Esses pagamentos colaterais injustos colocam os times independentes em perpétua desvantagem econômica e esportiva e ferem diretamente o esporte", postou o periódico.

Em junho deste ano, o jornal inglês "Financial Times" havia informado que alguns times estavam com a intenção de apresentar essa reclamação aos serviços de antitruste europeus por abuso de posição dominante.

Na época, o chefão da F1, Bernie Ecclestone, desconversou sobre o caso. "Ninguém conversou comigo sobre isso. Todos assinaram os contratos. Espero que esse recurso vá adiante e que as autoridades para a concorrência tenham bastante paciência e tempo para examiná-lo", informou à publicação.

Você pode gostar