Objetivo além da Superliga

Meninas do Rexona se apresentam pensando em 2016

Por O Dia

Rio - A camisa dourada usada pela líbero Fabi na apresentação da equipe Rexona-Ades — criada como uma forma de servir de inspiração na busca pelo ouro olímpico em 2016 — é uma prova de que a próxima temporada da Superliga feminina de vôlei será especial. Se o trabalho duro pelo título nacional já é grande entre as atuais tricampeãs, aumentará ainda mais com a proximidade da Olimpíada. E o sonho de disputar a competição em casa, em 2016, é um combustível que mexe com todos.

“Queremos ajudá-las a ganhar medalhas. É a nossa missão aqui. O objetivo é ser campeão da Superliga, mas também deixá-las em condição de conquistar a Olimpíada no ano que vem”, afirmou o técnico Bernardinho.

Rexona se reapresentou para a SuperligaCrédito%3A Márcio Rodrigues/MPIX

A necessidade de melhorar certos fundamentos de olho em 2016 já fez até algumas atletas pedirem treinos específicos para Bernardinho, como revelou Gabi durante a apresentação. E a tendência é mais trabalho a partir de agora.

“O que muda é que todo mundo, além do sonho de conquistar em grupo, tem os sonhos individuais de estar numa Olimpíada. Todas as atletas se empenham um pouco mais do que fazem anualmente. Será um ano importante, já fazemos dobrado e será triplicado”, admite Nathália.; Ela ressalta a importância da Superliga para manter o alto nível até a Olimpíada: “Um degrau de cada vez. Lógico que vamos nos dedicar para chegar em boa forma física. O foco agora é a Superliga, pensando um pouco na Olimpíada.”

Para quem ainda busca uma vaga na Seleção de José Roberto Guimarães, como a levantadora Roberta, a Superliga deste ano será a chance de mostrar serviço: “A briga ainda é grande, mas também estou preocupada com a Superliga. É meu sexto ano e será o meu momento, a minha chance de jogar, mostrar tudo o que aprendi.”
Entre as novidades para a temporada na busca pelo 11º título na Superliga, o Rexona-Ades contratou para a vaga de Fofão a levantadora americana Courtney Thompson, uma das principais rivais na busca pela medalha de ouro. Mas, por enquanto, a rivalidade fica em segundo plano.

“Ela só tem a acrescentar, defende uma das maiores seleções do mundo. Vamos ajudá-la e ela também vai nos ajudar. Depois paramos para pensar em Olimpíada”, avisou Nathália.

Últimas de Esporte