Cockpit: Um GP para ficar na história

Prova nos EUA foi um espetáculo para os fãs da Fórmula 1

Por O Dia

Rio - A chuva que tanto atrapalhou o fim de semana caprichosamente parou antes da largada e tornou o GP dos EUA um espetáculo digno dos fãs que lotaram o autódromo de Austin mesmo com o tempo ruim. Largada com as duas Mercedes se tocando, várias trocas de posições, brigas boas, saídas de pista, recuperações, ultrapassagens na marra, inúmeras batidas, emoção do início ao fim, erro decisivo e... título definido. Precisa de mais?

Lewis Hamilton fatura o tricampeonato da Fórmula 1Efe

Numa temporada tão chata na disputa pelo primeiro lugar, a corrida mostrou como a F-1 tem potencial para ser emocionante. E só não foi mais neste domingo porque a pista secou e a brincadeira acabou. A Mercedes tomou conta e disparou (ao passar Ricciardo, Rosberg abriu sete segundos em cinco voltas!). Sorte que foram quatro safety cars e inúmeras bandeiras amarelas, o que juntou os carros e ainda proporcionou uma batalha de estratégias.

Mas é inegável que, com a chuva, houve maior equilíbrio. Afinal, o motor não é determinante. Um bom carro pesa e a RBR provou que as evoluções ao longo do ano fariam efeito se tivesse um motor Renault mais competitivo. Dominou com pista molhada e sumiu com pista seca.

É tricampeão

Hamilton não fez grande corrida, errou demais, mas é inegável que merecia o título por tudo o que fez ao longo do ano com um carro espetacular. Fez história e igualou o ídolo Senna. Quer mais?

Erro com a cara de Rosberg

O ano de Rosberg se resume bem com o erro que deu o título a Hamilton. Nos momentos decisivos falhou (e feio) e foi engolido. Mostrou força em raros momentos, mas não é do mesmo nível que o rival.

O lado bom da chuva

Após o treino de sábado ter sido cancelado, os organizadores liberaram o pitlane para os fãs que ficaram até o fim, com direito a fotos com pilotos e carros de perto. Antes, viram brincadeiras nos boxes durante a espera de três horas. A F-1 mostrou que pode ser humana. E foi ótimo! Méritos para a organização americana, acostumada a aproximar os fãs nesse tipo de evento. Que sirva de lição para a F-1 se reinventar.

Últimas de Esporte