O papel de protagonista de Gui Deodato

Após sete anos em Bauru, ala aumenta responsabilidade em Rio Claro: 'Precisa estar em quadra para aprender'

Por O Dia

Gui Deodato se acostuma ao papel de protagonista de Rio ClaroDivulgação

São Paulo - Personalidade não falta a Gui Deodato. A vontade de evoluir e de ser protagonista foi fundamental para o ala, de 24 anos, trocar o Bauru, depois de uma temporada vitoriosa, por Rio Claro.

“Foi uma decisão minha com o Bauru, ainda tinha um ano de contrato. Ambos concordaram que eu precisava sair. Sempre joguei em Bauru. Precisava aprender com um novo técnico, novas coisas, ter novos desafios e até ir em busca de protagonismo, mais espaço”, declarou Gui, de 24 anos.

Agora, ele tem mais tempo de quadra e já se acostuma com o peso de ser protagonista: “Está mexendo comigo, estou aprendendo mais, desafios diferentes. A diferença é uma responsabilidade a mais. Sou mais responsável pelas ações. Em todo este tempo em Bauru, nos momentos finais, de fechar o jogo, às vezes participava. Aqui é sempre. Traz uma responsabilidade diferente. Precisa estar em quadra para aprender. Estar no banco e só assistir não traz tanta vivência”, analisa o ala.

O projeto de Rio Claro seduziu Gui. Ele vê semelhanças com o que vivenciou em Bauru nos últimos sete anos: "Tenho uma empatia com Rio Claro, acho uma cidade legal. Marcelo Tamião (técnico) me chamou para conversar logo depois que acabou o NBB, estava com a Seleção. Ele mostrou interesse, falou das condições que a cidade tem, mostrou o projeto, os objetivos. Tudo isso me interessou. A cidade de Rio Claro tem muito potencial, pode ser daqui a uns anos o que Bauru é hoje, tem tradição no basquete. Isso despertou meu interesse. É uma semente tão boa quanto a de Bauru há seis anos", analisou.

Animado com o desafio em Rio Claro, Gui Deodato aposta no tempo de trabalho como segredo para o sucesso.

"É uma equipe muito boa mesmo, que vai melhorar ao longo do NBB. O Brasileiro traz mais dificuldade do que o Paulista, apesar de ser o melhor estadual. O NBB tem viagem, tem de lidar com lesões. Mentalmente, precisa estar sempre preparado, lidar com o cansaço. Tenho muita fé no time. É uma equipe excelente e vai render bons frutos. O tempo de trabalho fala muita coisa. Dentro do basquete, o que mais dá fruto é o tempo de trabalho, manter uma base fixa. O entrosamento fica absurdo. O Bauru conseguiu sucesso rapidamente, teve sorte na montagem do time dar supercerto, apesar de ter um time só de craque. Foi algo atípico. Então queremos ir bem neste Nacional para manter a base, manter a maioria de jogadores possível e evoluir a cada ano. É uma cidade com muito potencial", projeta.

Gui Deodato valoriza cada ano e aprendizado em Bauru. Ele ficou sete temporadas no clube. Na última, conviveu com Alex. Ele não esconde a admiração que tem pelo ala.

"Para mim, Alex é o melhor jogador do Brasil, de ter responsabilidade de decidir. Pode estar mal ofensivamente, mas vai se garantir. Dificilmente se abate. Sou muito fã. Aprendi muito com ele. Foi bom treinar com ele, o dia a dia, tem um caráter excelente. Só tenho a agradecer. Aprendi muito. Treinava muito contra. O bicho pegava. Ele dispensa comentários. Aprendi com vários outros jogadores também. Todo mundo agregou um pouquinho", afirma.

Em dois jogos no NBB, Gui Deodato tem média de 31 minutos e 14,5 pontos. O Rio Claro tem uma vitória e uma derrota. Nesta quarta-feira, encara o Macaé no estado do Rio. Na sexta, o adversário será o Flamengo, na Gávea.

Contra a Liga Sorocabana%2C Gui Deodato fez 19 pontos%2C com 82% de aproveitamento nos arremessosRicardo Prado / Divulgação

"Estamos vindo de uma derrota em casa, para o Paulistano. Temos de pegar esta vitória fora. Alguém vai ter de pagar a conta. Queremos duas vitórias no Rio, sonhamos com isso. No mínimo, vencer um jogo. Vamos com a faca nos dentes. Nossa equipe tem muito potencial para encarar e vencer até o Flamengo, sabendo a fortaleza que é o Flamengo", encerrou Gui.

Últimas de Esporte