Por fabio.klotz
Publicado 21/12/2015 17:38 | Atualizado 21/12/2015 17:56

Rio - Humberto é mais um talento revelado pelo Pinheiros. O armador é da safra que chama atenção há três anos, ao lado de Lucas Dias e Georginho. O trio de ouro do clube paulista foi coroado com o título da LDB (Nacional Sub-22), um prêmio pelo talento e dedicação.

Humberto tem conquistado cada vez mais espaço no adulto do PinheirosLuiz Pires / LNB / Divulgação

"Na Universíade, com a seleção brasileira, conversei com Gegê e Gui Deodato, que já tinham sido campeões, e eles me falaram como era bom. Não sabia que ia me apegar tanto a este título. Vou comemorá-lo para sempre", declara Humberto, de 20 anos.

Humberto destaca trabalho da base do PinheirosLuiz Pires / LNB / Divulgação

Bruno Caboclo (draftado pelo Toronto Raptors em 2014), Humberto, Lucas Dias, Georginho... a lista de talentos do Pinheiros só aumenta. Qual o segredo do clube paulista?

"A estrutura que o time oferece, tem ótimos treinadores, a Telma Tavernari, o Zé Luiz Marcondes e Brenno Blassioli, que já saíram, Padovani... Além de uma ótima estrutura, querem formar o atleta. O Pinheiros se importa mesmo em formar o atleta. Quer formar o atleta para depois pensar em título", analisa Humberto.

O trio de ouro ganha cada vez mais espaço no adulto, em franca evolução na carreira. Humberto, por exemplo, tem média de quase 15 minutos por jogo, sua melhor marca no NBB.

"É o ano de maior evolução. Nós evoluímos muito com Joe Smith, Shamell. Este ano estamos evoluindo na quadra, não apenas no dia a dia. É o ano de maior evolução. Não tem como aprender melhor do que fazendo", avalia Humberto, que se espelha em Shamell, que defendeu o Pinheiros por cinco temporadas e está no Mogi das Cruzes desde 2014:

"Qualquer jogador jovem aqui do Pinheiros vai responder Shamell, que nos ajudava procurando mostrar o que era certo e errado. Ajudou muito dentro e fora de quadra. Treinar com ele era sempre um desafio. Eu queria marcá-lo, fazer cesta. Ele ajudou muito."

Sonho rubro-negro

A paixão de Humberto pelo basquete começou vendo jogos do Flamengo e de Franca, sempre com ginásios lotados e torcidas apaixonadas. O armador chegou a ser anunciado como reforço do Rubro-Negro para a temporada. Porém, uma reviravolta fez com que ele adiasse o sonho de defender o Rubro-Negro. Apenas adiasse. O sonho continua vivo.

"Foi um começo de temporada diferente. Problemas contratuais e de acordo entre os clubes me fizeram continuar no Pinheiros. Nunca escondi que sempre foi um sonho jogar pelo Flamengo, eu via Marcelinho e Duda no Maracanãzinho, mas sou profissional e defendo o Pinheiros, que também é um grande clube. Tive de ficar e foi bom, tenho mais tempo de quadra", declara Humberto, que coloca o Flamengo na lista de sonhos ao lado da Europa e da NBA:

"Eu não escondo de ninguém que almejo jogar pelo Flamengo. No dia que puder, vou realizar."

Não foi só pela TV que Humberto sentiu o peso do Flamengo. Na Liga das Américas de 2014, o armador enfrentou o Rubro-Negro num Maracanãzinho lotado. O Final Four está vivo na lembrança de Humberto - ele teve as melhores atuações no adulto naquela competição.

"Fiquei em choque quando vi a atmosfera da torcida. Por mais que tivesse feito uma boa semifinal e estivesse confiante, não esperava jogar a final, não tinha tanto espaço. Fiquei nervoso quando entrei em quadra. Nunca tinha visto um ginásio tão cheio. Pude enfrentar o Marcelinho, um cara que via pela TV", recorda Humberto, que fez 11 pontos na final contra o Flamengo.

Você pode gostar