O último ato de um ídolo

Campeão olímpico em Atenas, Emanuel dá adeus ao vôlei de praia no Grand Slam do Rio

Por O Dia

Rio - Despedidas nunca são fáceis. Há pessoas avessas a esses momentos, outras não aguentam a emoção e acabam caindo no choro durante o adeus. Imagine você se despedir da sua profissão na qual foi vitorioso por 25 anos e entrar para a história como um dos maiores de todos os tempos. Esse é o caso de Emanuel, colecionador de títulos importantes no vôlei de praia, que dá o seu adeus às areias no Grand Slam do Rio de Janeiro, torneio disputado esta semana na Praia de Copacabana. Nesta quarta-feira, ele estará em quadra ao lado do parceiro Ricardo.

Escalado como reserva para os Jogos Olímpicos do Rio, Emanuel preferiu não esperar por um possível chamado e antecipou o seu grand finale. Com as principais duplas brasileiras firmes na preparação olímpica, cada momento e sentimento nesta semana serão muito especiais.

Emanuel vai encerrar a carreira depois dos Jogos do RioDivulgação

“Lógico que tomar uma decisão dessas não é fácil, são 25 anos de carreira no vôlei de praia, fazendo o melhor possível que pude pelo esporte. Mas chegou a hora, estou num momento bom para que possa buscar outros objetivos na vida”, afirmou.

Emanuel viu de perto toda a evolução do vôlei de praia. De um mero esporte recreativo nas praias do Rio a uma competição de alto rendimento. Dentre tantos momentos e emoções nas areias mundo afora, ele destaca dois fatos.

“Em 1997, conquistei uma etapa do Circuito Mundial dentro do Brasil pela primeira vez. Foi emocionante porque estava perto da minha família. O segundo foi a chegada ao Rio em 2004, após ganhar a medalha de ouro em Atenas. Ver as pessoas orgulhosas com o nosso resultado foi gratificante”, lembrou.

Sucessores apontados

Após formar uma das duplas mais vencedoras nas areias ao lado de Ricardo, Emanuel indica Alison e Bruno Schmidt como possíveis sucessores.

“Eles criaram uma dupla muito forte e com jogo sólido. O Alisson está num momento excelente da sua carreira, numa fase muito madura, e o Bruno tem qualidade técnica e visão de jogo”, destacou o ídolo do vôlei que se despede.

Emanuel vê ex-paceiro, Alisson, como possível substitutoEfe

Confira outros pontos da entrevista de Emanuel

Sucesso do volêi de praia nas Olímpiadas

O Vôlei de praia é um esporte que tem muito apelo nas Olímpíadas, a venda de ingresos é muito grande, em Londres a expectativa era que o volêi de praia fosse o quinto esporte mais assistido e conseguiu esse sucesso. Eu acredito que no Rio de Janeiro a proporpoção seja maior, porque o brasileiro já está acostumado a assistir este esporte, ainda mais nas areias de Copacabana, então acredito que seja mais ou menos por aí, entre o quarto e o quinto com mais publico.

Vida pós vôlei de praia

Com relação ao pós carreira, quando eu me aposentar do vôlei de praia, eu vou dar um tempo de mais ou menos dois meses para tentar diminuir o ritimo, que o meu corpo entenda que eu não vou jogar mais em alto rendimento. Após isso, eu vou continuar o processo de capacitação para entender como eu posso ajudar no esporte de outras formas, já sou formado em Marketing e tenho dois cursos no comitê olimpico brasileiro na realização esportiva. Vou tentar entender onde eu posso encaixar toda minha experiência olímpica para tentar evoluir minha gestão ou tentar de ajudar de alguma tudo que está sendo contruído neste ciclo olimpico no Rio de Janeiro.

Rio 2016

Com relação às Olimpiadas, estou muito confiante nos resultados das duplas brasileiras, principalmente pela evolução. Larrissa e Thalita é um time muito maduro, já participaram de outras edições dos jogos, a Larissa está voltando do processo de ter sido mãe, ela voltou muito coerente e consistente nas partidas e com isso forma uma equipe muito sólida com a Thalita, que têm ganhado muitas etapas em sequencia. Num apanhado geral eu acredito que as quatro duplas, no masculino e feminino, todos possam chegar nas seminais e em consequencia buscar a final olímpica.

Aposentadoria

Eu pensei em me aposentar das quadras quando eu vi que meus objetivos atuais estavam mais distantes. Se não fosse a olímpiada meu único objetivo seria o mundial de 2017, e ele está a um ano de distância, e com esse pensamento do que vai acontecer, não é problema física, não é problema de rendimento, pois sou o atual campeão brasileiro. Não tem nada com físico, mas sim com a distância dos meus objetivos, vou completar 43 anos e isso me fez pensar.

Principais nomes atuais do vôlei de praia

Nesse momento o vôlei de praia tem diversos nomes a nível internacional, eu posso disser que o campeão olimpico Phill Dalhausser é um nome muito forte, consciente, e está jogando desde de 2005, além de ter medalha olímpica, é campeão mundial. E no Brasil o Alisson tem muita solidez no que faz, o Bruno Schdmit, o mágico,é um jogador mais baixo, mas que tem um talendo espetacular.

Últimas de Esporte