Técnica de correção facial pode reduzir lesões e melhorar rendimento no esporte

Assimetrias e deformidades faciais podem prejudicar a respiração. Acompanhamento odontológico ajuda a resolver o problema e melhorar o rendimento de atletas no esporte

Por O Dia

Rio - Historicamente, as lesões na face não costumam ganhar muita repercussão no futebol. Porém, recentemente, o goleiro Giovanni, do Atlético-MG, e o atacante Miler Bolaños, do Grêmio, acabaram sofrendo contusões na região. Esse tipo de trauma pode afetar o desempenho respiratório dos atletas, o que reflitirá significativamente nas atuações dentro de campo.

Situação parecida foi a de Felipe Mattos, de 38 anos. Adepto dos esportes e professor de educação física, ele tinha um problema recorrente: toda vez que iniciava uma atividade, a falta de ar e o cansaço constante estavam lá.

“Minha respiração era descompassada, por isso, ficava facilmente cansado, prejudicando bastante o meu rendimento físico e, consequentemente, meu desempenho profissional. Também sentia muitas dores na mandíbula. Quando nadava, por exemplo, era extremamente desconfortável, porque a cada respiração parecia que ela iria sair do lugar”, conta.

Bolaños sofreu lesão na faceDivulgação

Felipe passou a visitar diversos otorrinos e não encontrou resposta até encontrar na cirurgiã bucomaxilofacial Katyuscia Lurentt uma solução para os seus problemas.

"Pessoas com alterações na face costumam ter dificuldades respiratórias, apneia, dores na musculatura do rosto, dores na ATM e até enxaquecas. A ortognática é uma opção eficaz nesse sentido, pois promove melhorias funcionais na respiração, na mastigação e até no sono. E para o bom desempenho físico de um atleta, a junção de todos esses fatores é fundamental", disse.

Segundo ele, após a correção facial pelo procedimento, a falta de ar e o cansaço constante já não estavam mais lá. "No meu primeiro dia de pós-operatório, mesmo inchado, já senti a diferença. Nunca tinha respirado tão bem na minha vida! A parti daí as coisas só melhoraram. Não sinto mais dificuldades durante as atividades físicas e meu desempenho no esporte melhorou siginificativamente. Hoje também pratico corridas de aventura", revelou.

Como funciona a cirurgia ortognática

Tanto o goleiro, Giovanni, quanto o atacante, Bolaños, vão precisar de uma operação. De acordo com um levantamento do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, cerca de 10 milhões de brasileiros tem a necessidade se submeter a cirurgia ortognática para correção de problemas na maxila ou na mandíbula.

No procedimento, alia-se o uso de aparelhos ortodôntico a intervenções cirúrgicas nos ossos da face. A primeira fase do tratamento, com aparelho dentário, pode durar de 6 a 18 meses. Em seguida, o paciente é submetido à operação. A recuperação vai depender da gravidade do caso, mas envolve repouso de 15 a 30 dias, com restrições à mastigação e à atividade física.

Últimas de Esporte