Sob protesto da torcida, Arsenal vence Norwich e retoma 3º lugar no Inglês

Welbeck entra no segundo tempo e faz o gol da vitória dos Gunners, que seguem em busca de uma vaga na Champions

Por edsel.britto

Inglaterra - Sob protesto da torcida, o Arsenal fez a lição de casa neste sábado e retomou, ainda que provisoriamente, o terceiro lugar da tabela do Campeonato Inglês. Jogando no Emirates Stadium, o time londrino derrotou o Norwich City por 1 a 0. Os torcedores, contudo, demonstraram insatisfação e pediram a saída do técnico Arsène Wenger.

O Arsenal chegou aos 67 pontos, superando o Manchester City, que tem a mesma pontuação mas joga neste domingo, contra o Southampton, fora de casa. O time de Londres está agora a dois pontos do vice-líder Tottenham, que vai encarar o Chelsea na segunda-feira, ainda na esperança de evitar o título do líder Leicester (76).

Com gol de Welbeck%2C o Arsenal venceu o Norwich e se mantém na luta por uma vaga na próxima Liga dos CampeõesEfe

Antes e durante a partida deste sábado, torcedores pediram a saída de Wenger. Muitos exibiram cartaz com a mensagem "hora de mudar" nas arquibancadas do Emirates. Uma das faixas até agradecia Wenger, sem deixar de pedir sua troca: "Obrigado pelas memórias, mas chegou a hora de dizer adeus".

Dentro de campo, o Arsenal não ajudou a evitar os protestos. Com atuação apática, pouco ameaçava no ataque. No primeiro tempo, somente Özil salvava a equipe, com bons passes. Na segunda etapa, Danny Welbeck saiu do banco de reservas para marcar o único gol da partida, aos 13 minutos. Com o triunfo, o Arsenal segue na briga para assegurar sua vaga na fase de grupos da próxima edição da Liga dos Campeões. Para tanto, precisa terminar o campeonato entre os três primeiros colocados.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia