Funeral de Muhammad Ali será em Louisville, sua cidade natal

Ex-boxeador norte americano morreu aos 74 anos

Por O Dia

Estados Unidos - O funeral da lenda do boxe Muhammad Ali será realizado em sua cidade natal de Louisville, no estado de Kentucky, onde neste sábado os moradores lembram o mito entre flores, poemas, luto e bandeiras a meio mastro. A informação sobre o funeral foi confirmada pelo porta-voz da família de Ali, Bob Gunnel, ao informar da morte do mito, falecido ontem à noite aos 74 anos de idade por problemas respiratórios em um hospital de Phoenix (Arizona).

A família agradeceu as grandes demonstrações de apoio, mas pediu privacidade e não comunicou a data do enterro de Ali, três vezes campeão do mundo dos pesos pesados e campeão olímpico em 1960. Depois da morte do desportista na sexta-feira, o prefeito de Louisville, Greg Fischer, participou nesta manhã de uma cerimônia em sua homenagem e ordenou que as bandeiras americanas ficassem a meio mastro em todos os edifícios governamentais da cidade até que Ali seja enterrado.

Muhammad Ali morreu aos 74 anosEfe

"Os valores de trabalho duro, convicção e compaixão que Muhammad Ali desenvolveu enquanto crescia em Louisville ajudaram-no a se transformar em um ícone mundial. Como um boxeador, se transformou no maior, mas suas vitórias mais duradouras ocorreram fora do ringue", destacou Fischer.

Desta forma, o prefeito de Louisville fez referência à importância da figura de Ali, que rejeitou o serviço militar e lutou pela igualdade de todas as pessoas sem importar sua religião, condição social e cor de pele durante os convulsos anos 1960, em plena luta pelos direitos civis dos afro-americanos. Enquanto as bandeiras ondeavam a meio mastro, os moradores de Louisville se aproximaram com flores, poemas, balões e bichos de pelúcia do museu e centro cultural de Muhammad Ali, aberto em 2005 para prestar homenagem à lenda do esporte mundial por seu compromisso político e social.

Segundo seus biógrafos, a chegada ao boxe de Ali aconteceu com 12 anos, pouco depois que lhe roubaram a bicicleta e quando um policial de Louisville e treinador amador, Joe Martin, o convidou para um ginásio onde aprendeu a utilizar as luvas de boxe. Enquanto Louisville continua com suas homenagens ao herói local, no resto dos Estados Unidos se multiplicaram as reações à morte de Ali, retirado do boxe desde 1981 e que travou uma dura batalha contra a doença de Parkinson em seus últimos anos. "Muhammad Ali morreu aos 74 anos. Um grande campeão e um menino maravilhoso. Sentiremos saudades!", escreveu em sua conta no Twitter Donald Trump, virtual candidato presidencial republicano que, entre suas polêmicas propostas, quer proibir a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos.

Ali se tornou muçulmano e foi membro da organização religiosa Nação do Islã, da qual também fez parte Malcolm X, símbolo do movimento mais radical pelos direitos civis dos anos 60. O ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, e sua esposa Hillary Clinton, pré-candidata presidencial democrata, também prestaram homenagem à lenda do boxe, que viveu "uma maturidade cheia de convicções políticas e religiosas que lhe levaram a tomar decisões difíceis e viver com as consequências". Outro ex-presidente, George W. Bush (2001-2009), descreveu Ali como um "lutador feroz" e "um homem de paz" e lembrou em comunicado como lhe entregou em 2005 a Medalha da Liberdade, a máxima honra civil dos Estados Unidos.

Últimas de Esporte