Presidente do Campeonato Mexicano critica mudança no regulamento da Libertadores

Enrique Bonilla viajou aos Estados Unidos para se encontrar com Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol

Por O Dia

México - A Copa Libertadores da América sofreu uma série de mudanças em seu regulamento, que já valerão para a próxima edição da competição continental, em 2017. Uma delas tem causado confusão, principalmente em relação às equipes mexicanas, que disputam a competição como convidadas.

Esse convite precisa acontecer uma vez que o México está ligado à Concacaf, confederação que organiza as competições continentais das Américas Central e do Norte, além da região do Caribe. A Libertadores é um torneio promovido pela Conmebol, entidade responsável pela América do Sul.

O presidente do Campeonato Mexicano, Enrique Bonilla, fez críticas ao processo para a mudança ser concretizada e revelou que encontrará o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, para conversar a respeito do novo calendário da Libertadores.

"Veremos em nosso calendário qual é a realidade da nossa competição. Queremos entender bem por que fizeram as mudanças da noite para o dia, e nos pegaram totalmente de surpresa. Agora vou me reunir com o presidente Domínguez", afirmou o dirigente.

As críticas foram endossadas por José Luís Higuera, diretor-geral do Chivas Guadalajara, um dos mais tradicionais clubes mexicanos. 

"Acho que tem que deixar claro que esta é uma competição de muito prestígio, muito importante, na qual somos convidados. Nós, como futebol mexicano, respeitamos e reconhecemos o prestígio da Copa Libertadores. Mas não entendemos a fundo o motivo da mudança. É inviável nossa participação com o calendário novo. É estranho. Nós, como Chivas, não podemos pensar somente em nós, mas também na federação. Não é que o futebol mexicano queira impor condições, só que é inviável pelo nosso calendário e elencos. O presidente da Liga está para reunir-se com eles para tratar de seguir participando, mas ao que parece não é sensato".

Apesar disso, Higuera afastou qualquer possibilidade de utilizar elencos menos qualificados na competição sul-americana.

"Não, vejo essa possibilidade praticamente como impossível. Temos que dar toda nossa energia ao torneio para nossos torcedores. Que o México siga trabalhando para ter uma liga de excelência. Não temos varinha mágica, mas temos sim muita vontade, e vamos empenhar nossa energia para que nossos torcedores estejam contentes com nossa liga", ressaltou o dirigente do Chivas.

Últimas de Esporte