'É uma ferida que vai estar ali para sempre', diz Etiene sobre caso de doping

Apesar da responsabilidade, a nadadora promete enfrentar as últimas competições da temporada com leveza

Por O Dia

Santa Catarina - A nadadora Etiene Medeiros é um dos destaques do Torneio Open, que começa nesta quarta-feira e vai até sábado, em Palhoça (Santa Catarina). Será o último compromisso nacional da atleta do Sesi-SP, que fecha o ano no Mundial de Piscina Curta em Windsor, entre 6 a 11 de dezembro. Para ela, é o momento de "se conhecer" depois dos Jogos Olímpicos.

Etiene testou positivo em um exame antidoping realizado pela Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem fora de competiçãoDanilo Verpa/Folha de S.Paulo/NOPP

No Canadá, Etiene irá defender o título dos 50 metros costas conquistado em Doha (Catar), em 2014, quando se tornou a primeira mulher brasileira a subir ao topo do pódio em Mundiais, e também tem índice para competir os 50 m livre. Devido à programação das duas disputas individuais, a nadadora analisará, em conjunto com a comissão técnica, qual será a melhor estratégia. Além disso, deve representar o Brasil no revezamento 4x50 m livre misto.

Apesar da responsabilidade, Etiene promete enfrentar as últimas competições da temporada com leveza. "Esse ano foi muito difícil para mim, me permiti falar para o meu técnico e para a minha comissão que vou encarar esse Mundial com muito mais tranquilidade", explica. E a tensão dos últimos meses não se restringiu à busca por um bom desempenho nos Jogos do Rio, a nadadora viveu um drama na véspera da Olimpíada até ser inocentada em um julgamento por doping.

Etiene testou positivo em um exame antidoping realizado pela Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) fora de competição, no dia 8 de maio, para a substância fenoterol, presente no medicamento para tratamento de asma Berotec. Após analisar as provas, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) da CBDA entendeu que a atleta não teve culpa e a inocentou por unanimidade. A confirmação de que poderia participar da Olimpíada veio em 30 de junho após dias de incerteza.

"Nunca imaginei que ia passar por isso na minha vida, foi um momento bem complicado, mas em nenhum dia deixei de treinar e de acreditar, nenhum dia deixei de ser positiva", conta em entrevista exclusiva ao Estadão.com. E reconhece que o caso deixou marcas: "É uma ferida que vai estar ali para sempre, faz parte de mim. Mas estou levando agora com uma coisa bem suave, que consegui passar pelo lado bom."

A nadadora dá créditos à família pelo apoio durante o período turbulento que viveu e encara o episódio como um aprendizado. "A vida não é um piquenique nem um conto de fadas. Você sempre vai encarar coisas boas e ruins, mas tudo passa. Por ter uma estrutura familiar muito boa, consegui me manter em pé. Minha maior lição é essa."

O ocorrido despertou em Etiene o desejo de fazer algo pela natação e, assim, surgiu a ideia de dividir seus conhecidos em uma clínica voltada para a comunidade aquática em sua última semana de férias. Entre os dias 12 e 14 de janeiro de 2017, ela estará ao lado do técnico Fernando Vanzella e outros profissionais em sua terra natal, no Recife, para a realização do "Nado por Tudo - Swin Camp Etiene Medeiros".

"Quis fazer lá porque a nossa natação nordestina está precisando de um apoio. Quero mostrar muito do que vivi em todos esses anos de natação. Tudo o que passei nos últimos meses bateu na minha porta e falou: 'Olha só, você foi escolhida para mostrar para as pessoas o que realmente é ser uma atleta de alto rendimento'", conta.

Com a iniciativa de apoio à base, ela espera servir de exemplo para a nova geração e ajudar a alavancar a modalidade. "De um tempo para cá, vejo que a natação no Nordeste tem caído bastante Precisamos de um superstar perto da gente para se espelhar e isso a gente não tem lá. Fico triste, mas é um momento de resolução. Dando esse pontapé, pode ser que desperte o interesse de outros atletas também e a gente consiga reestruturar alguma coisa", torce.

A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) vive um momento turbulento diante de denúncias de corrupção que envolvem o presidente Coaracy Nunes, no cargo desde 1988, e outros dirigentes. Etiene diz não ser muito ligada a questões políticas, mas se preocupa com o futuro da natação: "Sou a favor da verdade, independentemente do que aconteça."

Últimas de Esporte