Sem jogos e sem comando, Maracanã convive agora com saques

Bustos do jornalista Mário Filho e do general Ângelo Mendes de Morais foram roubados. Polícia investiga o crime

Por O Dia

Rio - O mais icônico estádio do futebol brasileiro e cuja reforma para a Copa do Mundo de 2014 consumiu mais de R$ 1,2 bilhão em recursos públicos está sendo saqueado. Segundo informações da 18ª DP (Praça da Bandeira), os bustos do jornalista Mário Filho e do general Ângelo Mendes de Morais foram roubados, além de duas televisões e de uma peça de cobre da mangueira de incêndio.

Morador de rua dorme em frente a um dos acessos ao MaracanãAlexandre Brum / Agência O Dia

A Polícia Civil afirmou ainda que uma perícia foi realizada no local e as investigações estão em andamento para esclarecer o fato e identificar os autores do crime. Segundo a polícia, o batalhão da área reforçará a segurança no estádio.

Vivendo um jogo de empurra desde o final de 2015, o Maracanã está abandonado, sem comando definido e, no momento, sem condições de sediar qualquer partida, já que o gramado, que não vem sendo cuidado, secou.

A responsável pelo Maracanã é a Concessionária Maracanã S. A., cuja principal acionista é a Odebrecht. Mas, desde o fim de março do ano passado, a gestão foi repassada ao Comitê Rio-2016, que utilizou o estádio nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Em junho, o acervo histórico do Maracanã passou para a responsabilidade da Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro.

A gestão do estádio deveria ter sido devolvida no final de outubro - mas a Maracanã S. A. se nega a recebê-la por considerar que a arena não foi entregue pelo Comitê Rio-2016 da mesma forma como havia sido recebida.

"O complexo deveria ter sido devolvido à concessionária em 30 de outubro de 2016, o que não ocorreu em função de dezenas de não conformidades já relatadas ao Rio 2016 e ao governo do estado. Entre elas estão a falta laudos que atestem a integridade da cobertura e do gramado, a mudança na numeração das cadeiras, a falta de assentos e de equipamentos de segurança como as catracas eletrônica, televisões e móveis, além de mais de uma centena de equipamentos como portas e corrimãos quebrados", informou, em nota, a concessionária.

?Com informações do Estadão Conteúdo

Últimas de Esporte