Vettel supera Hamilton, vence no Bahrein e vira líder isolado do Mundial de F-1

Lewis Hamilton ficou na segunda colocação neste domingo

Por O Dia

Bahrein - Assim como já acontecido na prova de abertura da Fórmula 1, na Austrália, Sebastian Vettel voltou a levar a melhor em uma batalha com Lewis Hamilton ao vencer o GP do Bahrein, neste domingo, no circuito de Sakhir, onde assumiu a liderança isolada do Mundial, com 68 pontos.

O piloto da Ferrari cruzou a linha de chegada justamente à frente do inglês da Mercedes, que vinha de uma vitória na China e agora teve de se contentar com o segundo lugar. O posto fez o tricampeão mundial ficar com 61 pontos na vice-liderança do campeonato, que segue sendo dominado pelos dois rivais até aqui

Até agora, os dois estão se alternando nas posições do grid em três provas disputadas, pois Hamilton terminou em segundo lugar na primeira corrida do ano, em Melbourne, antes de deixar o ferrarista em segundo em Xangai.

Já o finlandês Valtteri Bottas, que largou da pole pela primeira vez em sua carreira na F-1, terminou em terceiro lugar, mesma colocação que ocupa no Mundial, agora com 38 pontos. O mesmo vale para o seu compatriota Kimi Raikkonen, da Ferrari, que fechou o GP do Bahrein em quarto lugar e também figura neste posto da tabela, com 34 pontos.

Vettel venceu GP do BahreinEfe

Felipe Massa, que havia ficado sem pontuar no GP da China após abrir a temporada com um sexto lugar na Austrália, voltou a repetir a sexta posição no Bahrein e saltou do oitavo para o sétimo lugar na classificação, com 16 pontos. Logo à frente do brasileiro da Williams está o australiano Daniel Ricciardo, da Red Bull, que fechou a prova deste domingo em quinto e chegou aos 22 pontos na sexta colocação.

Já o jovem talentoso holandês Max Verstappen estacionou nos 25 pontos e figura na quinta posição depois de ter abandonado a prova deste domingo após sofrer uma batida provocada por um problema nos freios de sua Red Bull.

A CORRIDA

Depois de largar em terceiro lugar, Vettel saiu mais rápido do que Hamilton, que partiu do segundo posto do grid e levou a ultrapassagem do alemão na primeira curva após a reta dos boxes. Já Bottas sustentou a primeira posição.

Massa, por sua vez, partiu do oitavo posto do grid e também largou bem ao ganhar duas colocações e assumir o sexto lugar. O mesmo valeu para o Verstappen, que largou em sexto e, com a habitual ousadia, rapidamente saltou para o quarto lugar.

Ricciardo, que partiu em quarto, caiu para quinto, enquanto Raikkonen desceu do quinto lugar do grid para o sétimo, ficando logo atrás de Massa. O brasileiro, porém, já na oitava volta foi ultrapassado pelo finlandês.

E, em meio ao calor da prova noturna do Bahrein, as equipes começaram a mostrar aos poucos que adotariam uma estratégia de pelo menos duas paradas nos boxes ao irem trocar os pneus antes das primeiras 15 voltas. E o primeiro a ir para o pit stop foi o canadense Lance Stroll, da Williams, já na nona.

Vettel foi para os boxes em seguida, na 11ª, quando trocou os compostos supermacios por outros do mesmo tipo. Assim, Hamilton herdou a segunda posição de Vettel e Ricciardo subiu para terceiro.

ACIDENTE E FIM DE PROVA

Já Verstappen foi para os boxes na 12ª volta e também voltou para a pista com pneus supermacios, repetindo a estratégia da Ferrari. O holandês, porém, não imaginava que a sua corrida esteve prestes a acabar de forma precoce. Já no primeiro giro na pista após sair dos boxes, o piloto foi prejudicado por um problema nos freios de sua Red Bull, passou reto em uma das curvas e só foi parar no muro de proteção.

E um novo acidente ocorrido em seguida acabou motivando a entrada do carro de segurança na pista. Na 14ª volta, Carlos Sainz, da Toro Rosso, havia acabado de deixar os boxes após troca de pneus e se chocou com Lance Stroll, que tentava contornar a curva e levou forte pancada na lateral de sua Williams. Por causa das avarias nos dois monopostos, os dois foram obrigados a abandonar a corrida.

HAMILTON É PUNIDO

Por causa da paralisação da prova com a entrada do safety car, quase todos os carros voltaram aos boxes para trocar pneus. E Hamilton acabou sendo protagonista de forma negativa desta parte da corrida ao desacelerar demais a sua Mercedes para retardar a entrada e Ricciardo nos boxes e também permitir que Bottas também tivesse tempo de fazer o seu pit stop antes da relargada.

E, após breve investigação dos comissários da prova, o inglês foi punido com a perda de cinco segundos a serem acrescidos ao seu tempo final de prova ou a serem cumpridos em uma parada nos boxes. Pouco antes disso, na relargada, o tricampeão mundial voltou forte para a pista e ultrapassou Ricciardo para assumir a terceira posição. E o australiano vinha perdendo rendimento e logo cairia para o sexto lugar.

Realizando uma boa corrida, Massa pulou da quinta para a quarta posição ao ultrapassar Raikkonen na 18ª volta, mas a maior potência do motor Ferrari falou mais alto na 24ª, quando o finlandês devolveu a ultrapassagem no final da reta dos boxes e reassumiu o quarto lugar.

E Hamilton, que optou por não ir para os boxes tão cedo para cumprir a sua punição, seguia tentando descontar esta diferença de cinco segundos na pista. Na 27ª volta, o inglês partiu para cima de Bottas e fez a ultrapassagem para assumir a segunda posição.

Já Ricciardo, em prova de recuperação, ultrapassou Massa na 29ª volta para ficar com a quinta colocação, enquanto lá na frente Hamilton seguia tirando diferença para o líder Vettel, que vinha perdendo rendimento por causa da degradação mais rápida dos pneus de sua Ferrari.

ALONSO SE ENFURECE

Bem atrás do pelotão da frente, Fernando Alonso também roubou a cena pela indignação com o fraco motor Honda de sua McLaren. Indignado com a facilidade que outros carros tinham para ultrapassá-lo, o espanhol chegou a protestar pelo rádio de seu monoposto em conversa com os mecânicos da equipe inglesa: "Eles (adversários) entraram 300 metros atrás de mim na reta e me ultrapassaram. Nunca tive tão pouca potência em um carro".

Enquanto isso, lá na frente, Bottas acabou indo para os boxes na 31ª volta e caiu da terceira para sétima posição após voltar para a pista com pneus macios. Pouco depois, na 33ª volta, Vettel foi para os boxes para também colocar compostos do mesmo tipo e retornou para a pista depois em terceiro lugar.

Vettel, entretanto, reiniciou a sua trajetória rumo à ponta rapidamente. Primeiro ele ultrapassou Raikkonen para assumir a segunda posição na 36ª volta. Em seguida, Ricciardo foi para os boxes na 40ª e voltou para a pista com pneus supermacios, caindo para o quinto lugar.

E Hamilton, que ainda não havia cumprido a punição recebeu, acabou indo para os boxes na 42ª volta e finalmente pagou os 5 segundos que devia antes de retornar à pista com pneus macios.

Com a parada do inglês, Vettel herdou a ponta e Bottas assumiu a segunda posição. E o alemão passou a ostentar uma vantagem de mais de nove segundos sobre o finlandês, que depois passaria a ser pressionado por Hamilton. E o tricampeão mundial acabou ultrapassando o seu companheiro de equipe na 47ª volta.

Naquele momento, porém, a disputa entre os pilotos da Mercedes favoreceu Vettel, que passou a aumentar a sua diferença na liderança e a dez voltas do fim tinha 12 segundos de vantagem sobre Hamilton. O britânico chegou a conseguir reduzir essa vantagem pela metade no fim, mas o alemão administrou a mesma com tranquilidade para vencer e assumir a liderança isolada do Mundial.

Atrás deste grupo, Bottas completou o pódio em terceiro lugar, que para ele acabou sendo um pouco frustrante depois de largar da pole. Raikkonen, Ricciardo e Massa completaram, nesta ordem, o grupo dos seis primeiros. Depois deles, o Top 10 que entrou na zona de pontuação foi fechado por Sergio Pérez (Force India), Romain Grosjean (Haas), Nico Hülkenberg (Renault) e Esteban Ocon (Force India).

Já a McLaren teve Alonso em 14º e último entre os pilotos que terminaram a prova. E o martírio da equipe inglesa foi ainda maior pelo fato de que Stoffel Vandoorne sequer pôde largar por causa de um problema no motor Honda de seu monoposto.

Últimas de Esporte