Justiça proíbe clube de alojar jovens depois do técnico ser acusado de estupro

Decisão foi tomada após os jogadores relatarem que o treinador continuava visitando as dependências do Atlético Araçatuba

Por O Dia

São Paulo - A Justiça de São Paulo concedeu uma liminar que proíbe o Atlético Araçatuba, time que em 2016 disputou a quarta divisão de São Paulo, de alojar jovens em suas dependências. A decisão foi tomada depois que os jogadores relataram um caso de estupro contra um atleta menor de idade supostamente cometido pelo técnico Paulo Giovane de Aguilar Carvalho.

De acordo com o 'Globo Esporte', Carvalho foi indiciado por ser acusado de ter abusado sexualmente de um dos jogadores, que o denunciou. Além disso, a vítima ainda relatou que as agressões também aconteciam com outros atletas do clube paulista.

Devido às denúncias e a instauração de inquérito, o Conselho Tutelar da cidade e a Federação Paulista de Futebol aconselharam ao Atlético Araçatuba o afastamento imediado do técnico.

Mesmo longe do clube, os atletas disseram à polícia que o suspeito continuava indo ao estádio, onde os jovens ficavam alojados. Diante disso, o Ministério Público iniciou um novo processo para que os jovens fossem retirados do local.

A Secretaria de Esportes de Araçatuba enviou uma nota oficial informando que: 'já tomou as providências de solicitar judicialmente a desocupação dos alojamentos no estádio, ocupados pelos atletas do Atlético'. Segundo a prefeitura, os adolescentes menores de idade já deixaram o local onde estavam alojados.

Últimas de Esporte