Após três anos e oito meses, Vasco e Botafogo se reencontram na Série A

Desencontro foi provocado pela temporada que as equipes disputaram alternadamente a Série B do Campeonato Brasileiro

Por O Dia

Rio - Botafogo e Vasco se reencontram nesta quarta-feira, às 21h, no Nilton Santos, para matar a saudade de velhos clássicos pelo Campeonato Brasileiro. Se na disputa do Carioca o duelo é figurinha fácil, na elite nacional os dois clubes não se enfrentavam há três anos e oito meses — desencontro provocado pelas temporadas em que disputaram alternadamente a Série B da competição.

Enquanto o Vasco visitou a Segundona em 2014 e subiu no ano seguinte, o Glorioso foi quem sofreu com o inferno do descenso. O carrossel de emoções prosseguiu em 2016, quando o Botafogo disputou a Série A e o Vasco, pela terceira vez em oito anos, a B.

Em 2017, porém, acabou o jogo de esconde-esconde e a supremacia vascaína estará em xeque. Afinal, nos últimos 11 clássicos, o Botafogo não venceu nenhum — foram seis derrotas e cinco empates. Para interromper a sequência indigesta e fazer o Botafogo entrar no G-6, o ex-vascaíno Rodrigo Pimpão quer ver o Niltão lotado de alvinegros.

“Muito bom poder contar com a nossa torcida. Que ela compareça e nos empurre à vitória. Quando entramos em campo e olhamos o estádio cheio, é sensacional. Dá um combustível a mais”, garante Pimpão.

Ele ainda espera marcar no ex-clube seu segundo gol no Brasileiro. “Já passei pelo Vasco. Um clube que me projetou no cenário do futebol. Espero que essa ‘lei do ex’ venha”, brincou o atacante, que defendeu o Gigante da Colina entre 2009 e 2010, quando marcou dez gols em 46 jogos.

Se no Botafogo Pimpão é uma das esperanças de gols da torcida, no Vasco ela atende pelo nome de Luis Fabiano. Desde que marcou contra o adversário de hoje o primeiro gol com a camisa cruzmaltina, o seu futebol evoluiu muito. A escassez de gols e a falta de ritmo das primeiras partidas foram superadas com muitos treinos e dedicação. Tanto que agora o Fabuloso já é vice-artilheiro do Brasileiro, com cinco gols, ao lado de Lucca, da Ponte Preta.

“A única coisa que mudou foi a parte física. Evoluí muito. Naquela ocasião, não estava em uma condição legal, do jeito que estou agora. Deu tempo para trabalhar, recuperar fisicamente. Hoje, me sinto muito melhor”, comemora o capitão vascaíno.

Luis Fabiano tem uma meta definida ao longo da temporada: marcar pelo menos um gol a cada dois jogos. “Sempre trabalho com o mínimo de 50%. Se tiver 30 jogos no ano, quero fazer 15 gols. Se for mais, melhor ainda”, adianta o jogador, que prevê um duelo equilibrado hoje: “Clássico não tem favorito. Estamos motivados, a vitória só trará coisas boas. Podemos assumir o terceiro lugar.”

Últimas de Esporte