Ricardo Teixeira usou jogo da seleção para vender voto ao Catar, diz relatório

Documento mostra que ex-cartola usou contratos comerciais para jogos da seleção brasileira em 2010 para camuflar o pagamento de propina

Por O Dia

EUA - Relatório do investigador norte-americano Michael Garcia, revelado pela própria Fifa nesta terça-feira, traz detalhes sobre as suspeitas de corrupção envolvendo o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira. O documento de 360 páginas mostra que ele usou contratos comerciais para jogos da seleção brasileira em 2010 para camuflar o pagamento de propina que ele teria recebido para apoiar a candidatura do país árabe para receber a Copa de 2022.

Ricardo Teixeira está sendo investigadoDivulgação

As informações constam no relatório elaborado por Michael Garcia, contratado pela Fifa para apurar as suspeitas de ilegalidade há cinco anos. O americano, que hoje é juiz num tribunal de apelação de Nova Iorque, chegou à constatação de que havia indício forte de que o Catar havia comprado os votos para sediar o evento.

Seu informe jamais foi tornado público e, diante da decisão da entidade de engavetar suas descobertas, Garcia pediu demissão em 2014. Poucos foram processados e o Catar jamais perdeu o direito de sediar o torneio. Nesta semana, o jornal alemão Bild teve acesso aos documentos, e a partir desta terça começaria a revelar os detalhes do processo. A Fifa, porém, optou por se antecipar e publicar o relatório em sua integralidade.

Um dos detalhes se refere a como Teixeira fez parte do esquema suspeito de compra de votos. Garcia explica como uma partida entre Brasil e a Argentina, realizada no Catar, pode ter sido usada como forma de camuflar recursos que seriam destinados a pagar Teixeira pelo apoio ao país árabe.

Confirmando denúncias publicadas pelo Estado em 2015, o relatório destaca como o Catar destinou US$ 7 milhões (cerca de R$ 23 milhões, na cotação atual) a Teixeira e ao então presidente da Associação Argentina de Futebol (AFA), Julio Gordona. Naquele momento, porém, o cachê da seleção era de apenas US$ 1,1 milhão (R$ 3,6 milhões).

Quem pagou pelo jogo foi a GSSG, empresa de construção do Catar que está erguendo as principais obras da Copa do Mundo de 2022. O dinheiro, em seguida, foi enviado à empresa sediada em Zurique, a Swiss Mideast. Um total de US$ 8,6 milhões (R$ 28 milhões) foram dados para a Kentaro organizar o jogo e pagar as duas seleções. A empresa, porém, deu uma comissão de US$ 2 milhões (R$ 6,6 milhões) para uma sociedade de Cingapura, a BCS. O pagamento foi apenas por terem "feito a apresentação" entre as partes envolvidas no jogo.

Mais US$ 2 milhões teriam seguido para a empresa World Eleven, contratada pela Associação de Futebol da Argentina (AFA) para organizar amistosos pelo mundo. O dinheiro, então, seguiria para a entidade esportiva de Buenos Aires, na época presidida por Julio Grondona, um dos que votaram a favor do Catar.

No caso do Brasil, a Kentaro destinaria um valor inferior, em US$ 1,1 milhão (R$ 3,6 milhões), mais um pagamento extra de US$ 300 mil (R$ 997 mil). O dinheiro foi enviado para a ISE, nas Ilhas Cayman, que depois repassou-o para a CBF.

Para aquele amistoso, o Catar gastou apenas com a hospedagem de Teixeira mais de US$ 20 mil (R$ 66 mil), cinco vezes o que o governo gastou com Lionel Messi. O brasileiro teve um tratamento de chefe de estado, ocupando uma suíte presidencial.

Os documentos também revelam como Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona, atuaria como intermediário para os interesses do Catar com as federações sul-americanas, entre elas a CBF.

O relatório de Garcia sugere que fosse investigado por corrupção, conflito de interesse e outras violações do código de ética da Fifa.

Teixeira ainda voou em um jato privado do Catar para uma das reuniões e teria dito a interlocutores de outras campanhas de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva "não é nada" e que qualquer decisão do voto do Brasil seria decidido por ele.

Últimas de Esporte