Neymar é criticado em transmissão de jogo da Seleção na Globo: 'individualista'

Galvão Bueno e comentaristas não gostaram da atuação do atacante

Por O Dia

Rio - A vitória da seleção brasileira por 2 a 0 sobre o Equador, na noite desta quinta-feira, valeu o título simbólico de campeão das Eliminatórias Sul-Americanas da Copa de 2018 da Rússia, mas a atuação de Neymar não agradou ao narrador Galvão Bueno e aos comentaristas na transmissão ao vivo da Rede Globo. 

LEIA MAIS: Conheça Gabriella Lenzi, modelo apontada como affair de Neymar

Neymar foi criticado durante a transmissão da GloboPedro Martins / MoWA Press

“O Neymar, quando chegou o Tite, começou a jogar como jogava no Barcelona e tudo funcionou. Hoje está jogando como no Paris Saint-Germain, muito individualista. O time do Brasil é muito bom, todo mundo sabe jogar e isso demonstrou nos oito jogos”, criticou Walter Casagrande, após 45 minutos iniciais decepcionantes da Seleção e do próprio camisa 10.

“Acho que ele jogou mais para ele do que para a seleção, coisa que não tinha acontecido nos jogos anteriores”, disse o comentarista e ex-jogador Júnior.

“Faltou um pouco do ataque todo. O Neymar começou a girar pelo campo todo, coisa que não gosto muito na seleção brasileira”, completou Casagrande no início da etapa final.

Galvão concordou com o comentarista e reforçou a mudança de estilo de jogo do atacante: 

“Ele jogava no Barcelona, vinha para a seleção mais ou menos do mesmo jeito. Ele está jogando do jeito que tem jogado esses jogos no Paris-Saint-Germain, né? Pela direita, pela esquerda, pelo meio. Ele jogava no Barcelona de um jeito, vinha e chegava para jogar na seleção daquele jeito e tudo funcionava muito bem, maravilhosamente bem.” disse. 

Mesmo com a vitória garantida e o placar de 2 a 0 no segundo tempo, Neymar sofreu críticas na transmissão. 

“Das nove partidas que o Brasil fez com o Tite, que foi evoluindo, essa partida individualmente do Neymar foi a pior na minha opinião. Aquela que ele segurou mais a bola, que ele errou mais o passe, que ele perdeu mais o tempo. Não sei se tem influência dele ter ido para o Paris Saint-Germain e jogar diferente lá, de ser o dono do time e pegar mais na bola. Dessa vez aqui, foi a que menos funcionou”, disse Casão.

Últimas de Esporte