Del Nero diz que Maracanã não tem como receber Seleção; consórcio rebate cartola

Presidente da CBF diz que o Brasil vai voltar atuar em seu estádio mais emblemático 'quando estiver tudo em ordem'

Por O Dia

Rio - O consórcio que administra o Maracanã rebateu na tarde desta sexta-feira as declarações do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, que pela manhã afirmou que o estádio ficou de fora das Eliminatórias da Copa do Mundo por considerar que o local "não tem condições de receber jogos da seleção brasileira". O Consórcio Maracanã lembrou que a arena carioca recebeu quase três dezenas de partidas neste ano e teve seu gramado bem avaliado pela própria CBF.

Marco Polo Del Nero disse que Maracanã não tem como receber a SeleçãoDaniel Castelo Branco

Logo após o anúncio dos convocados para os dois últimos jogos da seleção brasileira nas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo, o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, comentou sobre a ausência do Maracanã como sede de jogos no qualificatório. A intenção da entidade sempre foi fazer a última partida no estádio carioca, mas optou por transferi-la para o Allianz Parque, em São Paulo, por considerar que o Maracanã não apresentava as condições adequadas.

Segundo Del Nero, o Brasil vai voltar atuar em seu estádio mais emblemático "quando estiver tudo em ordem". "Não é só nós que queremos jogar no Maracanã. O Maracanã é um estádio do Brasil. Na oportunidade certa, quando estiver tudo em ordem, nós vamos jogar. Esperamos que seja em breve", disse o cartola.

"Nós queremos jogar. O estádio tem que ter condições mínimas e, se não tem, não podemos fazer jogo lá. A gente faz em estádio que está bom", insistiu o cartola. "É feita uma avaliação geral pelo nosso departamento de competições, é ele que faz essa avaliação. Ele tira lá suas avaliações e passa para nós. 'Olha, não está em condições de receber o jogo da seleção brasileira', e é isso que acontece."

Apesar de considerar que o Maracanã não tem condições de receber jogos da seleção, Del Nero não explicou por que o estádio segue abrigando partidas normalmente. A arena é usada pelo Fluminense no Brasileirão e na Copa Sul-Americana. Na semana passada, também recebeu a final da Copa do Brasil e, anteriormente, a semifinal da competição nacional. Nos dois casos, o Flamengo era o mandante.

CONCESSIONÁRIA REBATE DIRIGENTE 

O consórcio que administra o Maracanã rebateu na tarde desta sexta-feira as declarações de Del Nero, lembrando que a arena carioca recebeu quase três dezenas de partidas neste ano e teve seu gramado bem avaliado pela própria CBF.

"A Concessionária Maracanã esclarece que neste ano já foram realizados 27 jogos de futebol no estádio, alguns deles com os maiores públicos do País, o que comprova o perfeito funcionamento de suas instalações. Também é importante registrar que a vistoria promovida pela CBF atribuiu recentemente nota 4,75 ao gramado do Maracanã, numa escala em que o máximo é 5, atestando seus altos padrões para a realização de qualquer competição", afirmou o consórcio, em nota.

Dirigentes da CBF e o próprio técnico Tite haviam dito reiteradas vezes que tinham a intenção de levar jogos do Brasil para o Maracanã - a seleção principal não joga lá desde a final da Copa das Confederações de 2013. 

O Maracanã vem sendo administrado pelo atual consórcio por força de decisão judicial, já que a controladora do estádio tenta devolver a concessão. "A Concessionária Maracanã lembra também que há um ano comunicou oficialmente sua decisão de que houvesse encerramento do contrato de concessão, pois o mesmo se tornou inviável economicamente após ter sido descaracterizado por iniciativas do governo do estado.

Na ocasião, ainda em 2016, o governo manifestou publicamente que iria promover uma nova licitação, o que não foi realizado até agora. Em novembro passado, conforme previsão contratual, foi iniciado um processo de arbitragem, conduzido pela FGV, em decorrência de não haver um acordo entre as partes", considerou o consórcio.

Últimas de Esporte