Jogador se emociona ao falar da morte precoce do irmão: 'A vida bateu duro'

Jovem criado na base do Avaí e considerado uma das grandes promessas do clube, o volante Renanzinho morreu nesta quinta-feira, aos 20 anos

Por O Dia

Florianópolis - Um dia depois da morte do volante Renanzinho, do Avaí, o meia Luanzinho, também do clube catarinense, se despediu do irmão por meio das redes sociais. Em uma emocionada carta publicada em sua página no Instagram na madrugada de quinta para sexta-feira, o jogador de apenas 17 anos não escondeu a dor pela perda: "A vida bateu duro demais agora".

"Vou sentir muita saudade de você. A vida bateu duro demais agora, mas temos que nos levantar e seguir em frente. Irei conquistar aquilo que prometi para você. Você vai estar olhando tudo aí de cima. Obrigado por tudo, irmão. Saudades eterna de você!", escreveu o jovem atleta.

Renanzinho morre aos 20 anosTwitter / Avaí

Jovem criado na base do Avaí e considerado uma das grandes promessas do clube, o volante Renanzinho morreu nesta quinta-feira, aos 20 anos, após não resistir a complicações causadas por um tumor no cérebro. Ele estava afastado dos gramados desde o início do ano passado, o que impossibilitou que realizasse o sonho de jogar ao lado do irmão.

"Você ganhou o coração de todos com esse seu jeito que era de impressionar a muitos. Não é dessa vez que vamos jogar junto, né? Mas você é tão especial que Deus te levou para perto dele. Obrigado por sempre me incentivar a jogar bola, me levar nos treinos quando eu era pequeno e fazer de tudo por mim", comentou Luanzinho.

Renanzinho passou a reclamar de fortes dores de cabeça no fim de 2015 e teve o câncer detectado no início do ano seguinte. Imediatamente, foi afastado do elenco e não mais atuou profissionalmente. Foram duas cirurgias para retirada de partes do tumor e impedir que ele afetasse funções motoras e respiratórias, mas o quadro se agravou recentemente e o atleta foi internado há duas semanas.

Justamente quando o irmão batalhava contra o câncer, Luanzinho também se destacou no Avaí, chegou às seleções de base e ao time principal, ainda aos 16 anos. Na reta final do Brasileirão, ganhou espaço na equipe e mostrou todo seu potencial. Na quarta-feira, um dia antes da morte de Renanzinho, o meia havia se formado no ensino médio.

"Meu irmãozinho, chegou o dia de você nos deixar. Só queria dizer que foi uma honra conviver todo esse tempo do seu lado. Momentos bons, alguns ruins, mas você sabe como a vida é, né? Quero dizer que você foi o melhor irmão do mundo. Ontem eu me formei, nem consegui falar isso pra você, né? Mas eu disse no começo do ano que conseguiria, e você, como sempre, me apoiou quando muitos duvidaram de mim. Você merecia todo sucesso do mundo pela sua dedicação, esforço e humildade", exaltou Luanzinho.

Últimas de Esporte