Seedorf desperdiça pênalti e Botafogo perde 'final' para o Cruzeiro

Em jogão, Raposa dá nova prova de força e abre sete pontos de vantagem na liderança do Brasileiro

Por O Dia

Minas Gerais - O Botafogo até deu trabalho, mas caiu no Mineirão. O placar de 3 a 0 a favor do Cruzeiro, nesta quarta-feira, pode até passar a impressão de uma vitória tranquila. Na verdade, a Raposa só respirou no fim do jogo. O Fogão teve chances de empatar. A principal nos pés de Seedorf, mas o holandês cobrou pênalti para fora. O líder do Brasileiro não perdoou e venceu a "final".

Em jogão%2C Cruzeiro bate o BotafogoDivulgação

O jogo fez jus à posição de ambos na tabela. Cruzeiro e Botafogo protagonizaram um duelo eletrizante, de muita velocidade e de qualidade. A Raposa soube aproveitar as chances que criou e deu mais um passo na briga pelo título.

A Raposa alcançou a oitava vitória consecutiva no Brasileiro e já soma 49 pontos, sete a mais do que o Botafogo, vice-líder. Na próxima rodada, no domingo, às 16h, o Fogão recebe o Bahia no Maracanã. O Cruzeiro entra em campo no mesmo dia e horário e enfrenta o Corinthians em São Paulo.

O JOGO

O Cruzeiro partiu para cima do Botafogo no início do duelo. A Raposa pressionou o rival. Após cruzamento de Ceará, Éverton Ribeiro desviou de cabeça. Jefferson salvou como pôde. A resposta do Alvinegro foi com Elias. O atacante girou sobre a marcação e chutou colocado, mas Fábio mandou a escanteio.

O Fogão, enfim, equilibrou o confronto. Porém, não demorou para a Raposa ameaçar. O líder usava as laterais e por pouco não abriu o placar duas vezes. Pela direita, Ceará cruzou, mas Ricardo Goulart não alcançou. Depois, pela esquerda, Egídio cruzou, mas a bola passou pela área.

O jogo voltou a pender para o Cruzeiro. Éverton Ribeiro fez fila, mas chutou para fora. Depois, Jefferson salvou o Botafogo novamente. Willian pegou sobra e chutou. O goleiro alvinegro defendeu com o pé. Porém, aos 46, ele nada pôde fazer. Após escanteio, Nilton, livre, emendou de primeira com a parte de fora do pé: um golaço e 1 a 0 no placar.

O Botafogo voltou melhor para o segundo tempo e se aproveitou de um certo recuo do Cruzeiro. Aos sete, Seedorf achou Rafael Marques na área. O atacante foi derrubado por Bruno Rodrigo. Pênalti. Seedorf, porém, cobrou para fora. A Raposa se retraiu ainda mais e deu campo para o Fogão. A tática era apostar no contra-ataque. Em um deles, Ricardo Goulart chutou para fora, com perigo.

O Fogão passou a ter mais posse de bola e a ficar no campo de ataque. Oswaldo de Oliveira teve de fazer a primeira mudança. Renato sentiu e deu lugar a Hyuri. Um Alvinegro mais ofensivo. Depois, Elias saiu para a entrada de Alex. Hyuri quase empatou. O chute saiu perto da trave direita de Fábio. A resposta do Cruzeiro foi fatal. Éverton Ribeiro fez jogada pela esquerda e se chocou com Bolívar na área. O árbitro Luiz Flávio de Oliveira marcou pênalti. Julio Baptista, que entrou na vaga de Borges, bateu. Jefferson ainda tocou na bola, mas não impediu: 2 a 0.

O Alvinegro foi para cima. Henrique, que entrou no lugar de Rafael Marques, parou em Fábio. Em contra-ataque, o Cruzeiro aumentou com Júlio Baptista e definiu o placar.