Glorioso tem a pior média de pagantes entre os grandes da cidade

Com melhor campanha desde 1995, Alvinegro não conta com apoio maciço dos torcedores

Por pedro.logato

Rio - A fase ruim já foi superada e o Fogo está mais aceso do que nunca no Brasileiro, mas uma questão continua intrigando os jogadores e até o presidente Maurício Assumpção. Por que a torcida segue desconfiada e não tem comparecido em massa para apoiar o time que está na vice-liderança, bem perto da vaga na Libertadores, competição que não disputa desde 1996?

Torcida do Botafogo não vem comparecendo em grande númeroCarlos Moraes / Agência O Dia

O Botafogo deu inúmeras provas de que merece a confiança de seus supersticiosos torcedores e, no domingo, encerrou o jejum de 13 anos sem vitória sobre o Flamengo pelo Brasileiro.

Melhor do Rio na tabela, o Glorioso tem a pior média de pagantes nos jogos sob seu mando de campo entre os times da cidade: 12.702 torcedores por partida.

Os cinco jogos sem vencer antes do reencontro com o bom futebol, na virada sobre o Náutico, já fazem parte do passado e o elenco alvinegro espera que nas últimas 10 rodadas as arquibancadas do Maracanã estejam cheias.

“Não sei o que acontece, não tenho o que falar. Estamos disputando para ser o segundo colocado e o Flamengo estava brigando na Libertadores, agora para se distanciar da zona de rebaixamento e coloca mais torcedor que o Botafogo. Os jogadores estão fazendo o máximo para que venham títulos e a vaga na Libertadores e esperamos que a torcida compareça”, disse Marcelo Mattos.

Os jogadores sofrem influência direta pela presença ou ausência da torcida, mas não são somente eles que estão desapontados. O presidente Maurício Assumpção também admitiu que a participação dos alvinegros não tem sido satisfatória.

“A gente tem que dar conforto, temos que dar time para a torcida acreditar e isso estamos fazendo. Agora, estamos aguardando a torcida ir aos estádios, e quando ela vai, faz a diferença. Quando ela entender que o papel dela é fundamental, a gente ficará muito mais forte. O Flamengo vem mordido (pela Copa do Brasil). A torcida tem de entender que tem de estar junto nessa hora, como no dia 23 (pela Copa do Brasil)”, declarou o dirigente à ‘Rádio Brasil’.