Por pedro.logato

Rio - Se depender da vontade demonstrada no coletivo de sexta, não faltará entrega do Botafogo na busca por uma vaga na Libertadores. Titulares e reservas duelaram como se fosse final de campeonato, com direito a discussões e entradas fortes. O clima de decisão para as duas últimas partidas do Brasileirão já toma conta do grupo e a confiança na conquista do objetivo é tão grande que Oswaldo de Oliveira revelou sua torcida para a Ponte Preta na decisão da Copa Sul-Americana.

Em caso de título do time de Campinas, o G-4 vira G-3 e as possibilidades de o Alvinegro entrar no grupo diminuem. Mas a matemática não assusta o treinador do Glorioso, que confia em duas vitórias consecutivas.

Botafogo busca uma vaga na LibertadoresDivulgação

“Vou torcer para a Ponte Preta. Independentemente do resultado desse confronto, se fizermos a nossa parte, temos chances de classificação. É um clube brasileiro, dirigido por um amigo (Jorginho)”, disse Oswaldo.

O técnico comandou um coletivo ontem e nem o calor do sol escaldante do Engenho de Dentro conseguiu diminuir a intensidade dos dois times. Parecia uma partida oficial e até uma breve discussão entre Bolívar e Lucas pôde ser ouvida. O lateral-direito, por sinal, será relacionado pela primeira vez desde que se recuperou da cirurgia no tornozelo esquerdo.

A atividade terminou empatada em 1 a 1 com gols de Lima e Seedorf. Elias deixou o treino logo depois do início e é dúvida para o jogo contra o Coritiba, assim como Renato, que apenas correu fora do campo. Oswaldo de Oliveira vai definir hoje se eles viajam. Se não tiverem em condições, Bruno Mendes e Marcelo Mattos ganharão chance na equipe.

O Coalhada está sendo visto com outros olhos pelo treinador depois dos dois gols que marcou na goleada sobre o Atlético-PR, pela 35ª rodada. Mais empenhados nos treinamentos, o atacante pode ser importante com seu faro de artilheiro nas duas partidas que podem devolver aos alvinegros o orgulho de disputar uma Libertadores.

TRISTEZA PELA MORTE DE NILTON SANTOS

Oswaldo sempre falou com saudosismo do futebol carioca da década de 60, período que era frequentador da arquibancada do Maracanã. Fã de Nilton Santos, o treinador do Botafogo, com emoção, lamentou a morte do Enciclopédia.</CW>

“Vi com muita tristeza. Aquela geração bicampeã mundial da qual fiz parte está desaparecendo. Vi todos esses caras jogarem. Assisti a muitos jogos do Nilton e fico triste. Acompanhei bem a sua carreira, li livros que falam dele, a sua biografia e sinto muito”, disse o técnico.

Na internet, a campanha pela mudança do nome do Engenhão de Estádio João Havelange para Nilton Santos ganhou mais força nos últimos dias. O pedido foi assinado, virtualmente, por quase duas mil pessoas até o momento.

Você pode gostar