Seis jogadores do Botafogo ficam sem 'presente': ambiente piora no clube

Lucas, Bolívar, Bolatti, Marcelo Mattos, André Bahia e Tanque Ferreyra não recebem salário atrasado

Por O Dia

Rio - No dia do aniversário de 110 anos do Botafogo, nenhum motivo para festejar. Apenas para se preocupar. Os R$ 2,5 milhões desbloqueados pelo Sindeclubes na sexta-feira não foram suficientes para pagar um mês de salário aos funcionários e a todos os jogadores. Por receberem altos valores na carteira, Lucas, Bolívar, Bolatti, Marcelo Mattos, André Bahia e Tanque Ferreyra foram os escolhidos para continuar sem ver a cor do dinheiro. O ambiente, que já estava pesado com a entrada na zona de rebaixamento do Brasileiro, piorou.

Clima no Botafogo pioraAndré Luiz Mello

O restante do grupo deverá receber seu vencimento até a tarde desta quarta-feira. A justificativa da demora é a difícil logística para confecção e distribuição dos quase 500 cheques a todos os funcionários do clube. Os seis que seguem com três meses de atraso já podem entrar na Justiça para pedir a rescisão de seus contratos.

LEIA MAIS: Mancini critica clube por 'ignorar' atletas: 'Nunca vi em 30 anos de futebol'

Na semana passada, o pagamento prioritário de Dória e Gabriel já tinha causado revolta. Com esta nova atitude da diretoria, a irritação aumentou e até o treinamento desta quarta, que seria integral, acontecerá somente na parte da tarde.

LEIA MAIS: Ramírez não se abala com fase ruim do Botafogo e mira clássico com o Flu

As coletivas também devem sofrer consequências, devido ao descontentamento dos atletas. Nesta terça, por exemplo, a assessoria de imprensa alvinegra teve dificuldades para convencer algum jogador a falar e coube ao recém-chegado Ramírez, que tem seu salário pago pelo Corinthians, em dia, responder perguntas sobre a crise financeira.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Botafogo

“Sentimos que o momento do Botafogo não é bom. Não é o melhor clima. Mas o torcedor de verdade sabe que todos aqui estão fazendo o máximo para mudar as coisas”, afirmou o peruano.

VEJA MAIS: Confira a tabela e classificação do Campeonato Brasileiro

O panorama, que já é ruim, deve ficar ainda pior até o fim do ano. A expectativa da diretoria é conseguir pagar apenas mais dois meses de salários na CLT e nenhum valor referente aos direitos de imagem.

Se conseguir retornar ao Ato Trabalhista, no dia 21, a situação terá uma pequena melhora, tendo em vista que as receitas não continuarão totalmente bloqueadas. O Sindeclubes já informou que as cotas de transmissão desbloqueadas para o pagamento dos salários nos últimos meses se esgotaram.