Por edsel.britto

Rio - No dia de finados, o Botafogo vai fazer de tudo para sair vivo de Belo Horizonte e ganhar uma sobrevida no Brasileirão. A meta é pontuar contra o líder, Cruzeiro, neste domingo, às 17h, no Mineirão, para sair da zona do rebaixamento e evitar uma morte (quase) anunciada.

Faltando sete rodadas para o fim da competição, Vagner Mancini já sabe o que seu time precisa fazer para não encerrar a temporada debaixo de sete palmos de terra. Nas contas, de acordo com os matemáticos, quatro vitórias descartam um velório alvinegro justamente no ano que o clube voltou a disputar a Libertadores depois de 17 anos.

O confronto com o Cruzeiro é considerado o mais complicado dos que restam. Nem por isso, o comandante diminui seu nível de otimismo: “O Botafogo chegou numa situação que tem que encarar o Cruzeiro como um adversário direto, assim como foi contra o Flamengo. Não podemos olhar se estão lá no alto, o que mais importa é a concentração. Vamos buscar pontos e acho que o retrospecto do futebol nos faz crer que pode acontecer qualquer coisa”, disse Mancini.

Contra o líder Cruzeiro, Jefferson é a principal aposta do Alvinegro para fugir do rebaiaxmentoDivulgação

O ano do Glorioso tem sido tão conturbado que na semana livre para trabalhar depois de muito tempo enfrentando uma maratona de jogos, as notícias foram muito mais tristes do que animadoras. Destaque da equipe com três gols nas últimas quatro partidas, Wallyson sofreu entorse no tornozelo direito e não joga, assim como André Bahia, com dores na coxa esquerda.

Os escolhidos para substituí-los foram Murilo e Dankler. Apesar dos problemas, Mancini crê que seus comandados conseguem encarar a pressão de enfrentar o líder: “Tudo que aconteceu deixou a mochila de todo mundo aqui pesada”, analisou. Para voltar ao Rio com pelo menos um ponto na bagagem, o Alvinegro conta com o brilho de Jefferson. Se não sofrer gol, o capitão deixa o Botafogo cada vez mais longe do cemitério.

Você pode gostar