Por fabio.klotz

Rio - Mudança no comando e outras cinco no time, mas o objetivo mantido. O Botafogo inicia o segundo turno da Série B do Brasileiro, neste domingo, contra o Paysandu, com cara nova e inspirando confiança na torcida, que esgotou os ingressos para o duelo no Nilton Santos. Metade do caminho de retorno à elite já foi percorrido, mesmo assim, a ordem de Ricardo Gomes é continuar evoluindo, para que a química com a arquibancada perdure.

Ricardo Gomes alerta para possível ansiedade do time do BotafogoDivulgação

Na estreia da competição, em Belém, Gilberto era o lateral-direito, Marcelo Mattos o primeiro volante e Fernandes o responsável por municiar os atacantes Pimpão e Bill. Dos cinco, somente o meia revelado na base continua no clube, porém, sem espaço no momento. Fora das quatro linhas, a principal modificação: René Simões saiu e deu lugar a Ricardo Gomes.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Botafogo

Sob a direção do novo técnico, Luis Ricardo foi efetivado como lateral-direito e Serginho, contratado no meio do ano, firmou-se na proteção à zaga. Daniel Carvalho conquistou vaga no meio, enquanto Neilton e Navarro chegaram com a titularidade. O uruguaio, com uma lesão na panturrilha direita, dará lugar a Luis Henrique na partida contra os paraenses.

Apesar de mais da metade do time ter mudado em relação ao duelo do primeiro turno, Ricardo Gomes não acredita que conseguirá surpreender o adversário.

“Hoje, existe um trabalho muito grande dos analistas de desempenho. Em qualquer clube se faz um bom trabalho nesse sentido. Não terá surpresa”, disse o treinador.

Sem armas secretas capazes de pegar o Paysandu desprevenido, o comandante conta com o apoio da torcida para vencer e convencer. Os alvinegros acabaram com os mais de 20 mil ingressos destinados a eles. O restante da carga de 25.034 entradas é voltado aos torcedores do Papão. Ao mesmo tempo que motiva, o recorde de público do Nilton Santos na Série B deixa o time em alerta para que não haja uma interferência negativa no desempenho.

“Não pode ter ansiedade. Tem que ter raça e qualidade. Ansiedade leva o jogador a ficar perdido em campo”, alertou Ricardo Gomes.

Você pode gostar