Um voto de confiança no Botafogo

Jefferson admite dificuldades, mas adverte que é preciso ter paciência

Por O Dia

Rio - Muitas vezes a função de um ídolo no futebol extrapola suas atribuições dentro das quatro linhas. Capitão do Botafogo, Jefferson também é uma espécie de porta-voz dos torcedores. Os 100% de aproveitamento no Carioca não enganam o goleiro.

Ciente da dificuldade ao longo do processo de reconstrução da equipe, ele compreende a preocupação dos alvinegros com o desmanche — 17 baixas — após a conquista da Série B do Brasileiro. Na condição do ídolo que não abandonou o barco, pediu um voto de confiança.

Jefferson não se engana com o 100% no CariocaVitor Silva / SSPress / Botafogo

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Botafogo

“A gente entende a cobrança, a preocupação. Praticamente toda a equipe mudou. Às vezes, ouço na rua pedido pela chegada de jogadores. Isso é normal. Como capitão, peço paciência, pois estamos trabalhando. Temos que focar e nos esforçar ao máximo para fazer um Botafogo bem forte”, disse Jefferson.

Aos 33 anos, o goleiro tem sua lista de metas. Representante do clube na Seleção, ele sonha recuperar a vaga de titular, mas sabe que o bom trabalho e conquistas pelo Botafogo são os trunfos para permanecer na vitrine.

“Tenho 33 anos com a força de garoto. Quero conquistar títulos pelo Botafogo. Temos que sonhar alto e nos cobrar. No dia em que não houver mais essa cobrança, é melhor para de jogar futebol”, disse Jefferson. Perto da volta, Neilton tem no sonho de disputar a Olimpíada sua maior motivação. Ontem, o atacante fez 22 anos e ganhou um ‘banho’ de farinha e ovos.