Na base do grito: Cobrança interna vira arma para o Botafogo voar no Brasileiro

'Puxão de orelha' mostra foco do grupo em subir na tabela

Por O Dia

Rio - A bronca de Airton em Neilton no fim do clássico com o Flamengo chamou a atenção de quem esteve na Arena Botafogo ou assistiu à partida pela TV. O Alvinegro já havia empatado o duelo, após a derrota parcial de 3 a 1, até os 34 minutos do segundo tempo, no momento do ‘puxão de orelha’ em Neilton, nos acréscimos, por um cochilo na marcação.

Rodrigo Lindoso aposta em voos mais altos do Botafogo no BrasileiroVitor Silva / SSPress / Botafogo

É com esse tom de cobrança interna que o Botafogo se credencia a alçar voos mais altos na tabela do Brasileiro. Fora do Z-4 há três rodadas, respira mais aliviado, só que ainda sente o incômodo pela proximidade da zona da degola. Em 15º lugar, com 17 pontos, e invicto há quatro partidas, o time promete consolidar a arrancada.

“Foi bom sair (da zona de rebaixamento), mas ainda não está legal, ainda não está tranquilo. Nossa equipe tem qualidade para estar do meio da tabela para cima. Ricardo falou sobre isso, essa não é a nossa posição. Estamos buscando, certeza de que vamos brigar lá em cima”, disse Rodrigo Lindoso, confiante.

Com mais opções para trabalhar a equipe, Ricardo Gomes promete explorar o momento favorável. Hoje, Jefferson é o único nome de peso no departamento médico. Carli e Canales recuperam o melhor da forma e prometem acirrar a disputa por um lugar entre os titulares na próxima rodada. Recuperado de dores musculares, Leandrinho deverá estar à disposição contra a Chapecoense, domingo, na Arena Condá.

“Falo dos reforços, mas também o pessoal que estava no grupo e voltou a jogar. Uma hora precisaremos de todos. Hoje, temos muitos à disposição. Antes, não. Parei um mês. Depois ficaram fora Airton, Carli, Diogo, Leandrinho... Independentemente da escalação, temos peças que facilitam o trabalho”, avaliou Rodrigo Lindoso.